Editorial: os jogos e a cidade

A sede de golfe abre suas visuais à vegetação do campo e aos edifícios do entorno no espaço que será público após o fim dos Jogos; a Arena do Futuro com seus elementos pré-fabricados irá, literalmente, sumir na paisagem para se transformar em quatro escolas públicas a partir de 2017. Começamos nossa cobertura dos Jogos Olímpicos com esses dois projetos que mostram um pouco a cara que o Rio de Janeiro deu ao seu legado, o primeiro assinado pela dupla Pedro Rivera e Pedro Évora, do Rua Arquitetos, vencedor de concurso; o segundo com o consórcio RioProjetos 2016, que reúne os escritórios Oficina de Arquitetos, Lopes Santos & Ferreira Gomes Arquitetos e Paulo Casé Planejamento. Para analisar o que está acontecendo no Rio – e isso inclui a Olimpíada e também as mudanças na área do porto, como reportamos da edição passada com os projetos do Museu do Amanhã e da praça Mauá -, conversamos com Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade e curador do pavilhão brasileiro na próxima Bienal de Veneza.

“Se cada dia cai, dentro de cada noite, há um poço onde a claridade está presa.

Há que sentar-se na beira do poço da sombra e pescar luz caída com paciência.”

Pablo Neruda, em Últimos Poemas

Com grande foco nas mudanças do centro carioca, Fajardo desafia os arquitetos a se unirem para recuperar imóveis antigos na região. “É preciso que os arquitetos tenham interesse pelo papel e pela incumbência de cuidar da cidade que existe. O mercado imobiliário não sabe recuperar edifícios, isso não desperta interesse”, nos diz em entrevista. Fajardo também nos conta suas ideias sobre a mostra na bienal, com projetos em que ativistas e membros de comunidade são o estopim para mudanças na arquitetura e no espaço urbano. São esses projetos que terão os holofotes no pavilhão brasileiro, na busca por trazer exemplos para responder à provocação do diretor da bienal, Alejandro Aravena: apresentar casos que, apesar das dificuldades e resignações, proponham e façam algo; arquiteturas que, apesar da escassez de meios, intensificam o que está disponível em vez de reclamarem do que está faltando.

E como falar de Aravena sem citar o surpreendente Pritzker deste ano. Anunciado dia 13 de janeiro – dois meses antes do que costumam fazer -, o prêmio foi para um arquiteto relativamente jovem, com 48 anos, e que foca seu trabalho em provocações. Seja na construção de uma habitação social não comum entre os projetos do tipo, em que o morador deve completar sua construção, seja em seus discursos que chamam o arquiteto para atuar e se aproximar do que a sociedade precisa. Como a resgatar um laço há muito perdido e um papel que o arquiteto pode e deve fazer muito bem nesses tempos de mudanças: pensar e fazer a cidade mais igualitária.
BIANCA ANTUNES

Washington Fajardo fala sobre a presença brasileira na Bienal de Veneza, a necessidade de renovar os centros urbanos e as mudanças no Rio de Janeiro

Washington Fajardo fala sobre a presença brasileira na Bienal de Veneza, a necessidade de renovar os centros urbanos e as mudanças no Rio de Janeiro

A exposição brasileira na Bienal de Veneza está nas mãos de Washington Fajardo, escolhido curador do pavilhão do Brasil para este ano de 2016. Para mostrar uma produção brasileira que responda à proposta feita por Alejandro Aravena, diretor desta bienal, Fajardo quer falar da construção coletiva, em que uma comunidade ou um ativista busca soluções por meio da arquitetura – e aí entra o arquiteto. “O incômodo maior é mostrar que existe um esforço da sociedade em projetar e construir a esfera pública”, nos conta na entrevista, comparando esse esforço com a falta de relevância que o poder público tem colocado na disciplina. “Nesse sentido é uma mostra política, com projetos feitos com muito esforço e tempo, e todos acreditam na arquitetura.” Leia mais