Editorial: ode à cidade

Dois edifícios residenciais na capital paulista mostram que há novas maneiras de construir na cidade seguindo as exigências do mercado imobiliário, mas com bons projetos de arquitetura. No meio de centenas de novos edifícios que repetem fórmulas e padrões, os arquitetos do UNA lograram erguer uma torre de concreto, mesclando robustez e delicadeza; estrutura e função. O Huma Klabin é uma ode à cidade, e faz com que os moradores nunca se esqueçam disso. A vista da urbe em várias camadas entra pelas aberturas do edifício inclusive no corredor de acesso aos apartamentos. Também em São Paulo, Lucas Bittar e Felipe Hsu projetaram o Amoreira, um edifício de linhas singelas, mas funcionais, revelando a verdade dos materiais e gentil com o entorno. Dois projetos publicados em detalhe nesta edição.

Leia mais

Editorial: reportagens exclusivas e casa lotada

Faltam três meses para a Olimpíada e temos mais quatro equipamentos finalizados e publicados em AU com exclusividade. Desta vez, todos são assinados pelo escritório Vigliecca & Associados no Complexo Esportivo de Deodoro – arquitetos também responsáveis pelo plano diretor do complexo, com projeto vencedor de concurso. As especificidades dos edifícios se uniram ao desenho cuidadoso de Vigliecca para transmitir emoção e oferecer conforto durante e após os Jogos. Os detalhes das soluções são esmiuçados nas reportagens e na seção Aulas de projeto desta edição, recheada de desenhos técnicos da Arena da Juventude, espaço no Deodoro que irá reunir basquete feminino e esgrima (pentatlo moderno) e esgrima na cadeira de rodas na Paralimpíada. Também exclusiva é a singela casa do quarteto do UNA Arquitetos em Florianópolis, de frente para o mar. A estrutura de madeira, com três pilares em “V” e precisão milimétrica, foi resolvida com o mínimo de chegadas no chão e recebe quem chega do mar. Os arquitetos utilizaram revestimentos simples para garantir um custo baixo da obra, mas o fizeram com inteligência – caso dos painéis de PVC perfurados no volume superior que transformam a casa em um farol de noite. O UNA propõe uma maneira descontraída de passar o tempo na casa de veraneio, aberta ao entorno: sem muros nem grades, é uma continuação das camadas naturais de mar, areia e vegetação.

“Se não te matar, então você não é boa. É isso, de verdade: você deve se dedicar integralmente. Você não pode arcar com idas e voltas. Quando as mulheres param para ter filhos é muito difícil para elas se reconectar com a grande escala. E quando elas fazem sucesso, a imprensa, mesmo a especializada, perde muito mais tempo falando sobre como nos vestimos, que sapatos estamos usando, como devemos ser vistas”. 
Zaha Hadid (1950/2016), em entrevista ao The Guardian

Por fim, foi um sucesso o debate organizado pela AU e realizado aqui na editora PINI sobre vidros para fachada: com 13 participantes, a conversa sobre a especificação do sistema foi aprofundada trazendo profissionais de todas as pontas, o arquiteto, o pesquisador e o fornecedor. O resultado está relatado em reportagem desta edição.

BIANCA ANTUNES