Viviane Gobbato explora iluminação zenital e paredes verdes em projeto de restaurante na capital paulista

Viviane Gobbato explora iluminação zenital e paredes verdes em projeto de restaurante na capital paulista

Quem passa na frente do restaurante contemporâneo Méz, na Rua Dr. Mário Ferraz, no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo, jamais imagina que o lugar, onde funcionava outro estabelecimento, já foi escuro, sem nenhum charme nem impacto. Quando recebeu a encomenda de reformar radicalmente o espaço, mas preservar a estrutura principal, a arquiteta Viviane Gobbato tinha a tarefa de criar um visual com o mood do Meatpacking District. O famoso bairro de Nova York antigamente era conhecido por abrigar frigoríficos e empresas de embalagem, e hoje se tornou um dos destinos mais atraentes e de alma jovem da cidade americana. “O desejo principal dos proprietários era a criação de um local descontraído, que pudesse atender a diversos públicos em diferentes ocasiões”, comenta Viviane. Assim, o mix de bar e restaurante de 520 m² oferece petiscos e comidas para compartilhar com os amigos, além de uma rica carta com mais de 40 opções de drinques, o que o torna uma referência na área da coquetelaria paulistana.

Leia mais

Tijolos são empregados na estrutura da casa e deixados aparentes, oferecendo identidade, conforto térmico e contraposição a materiais menos robustos, como o metal

Tijolos são empregados na estrutura da casa e deixados aparentes, oferecendo identidade, conforto térmico e contraposição a materiais menos robustos, como o metal

O tijolo é um dos materiais construtivos mais tradicionais e fundamentais de que se tem conhecimento. Muitos são os mestres que ensinaram aos arquitetos o uso deste elemento. Rogelio Salmona (1929-2007) e Eladio Dieste (1917-2000), por meio de seus legados de importância e reconhecimento mundiais, são arquitetos cujas obras se tornaram emblemáticos da plasticidade do tijolo à vista em diversificados projetos.

O partido do projeto torna-se praticamente indissociável de sua materialidade. Não conseguimos observar as Torres del Parque (Colombia, arq. Rogelio Salmona, 1970) e imaginá-las de outra cor inseridas naquela paisagem nem mesmo lembrar da Igreja de Jesus Obrero (Uruguai, arq. Eladio Dieste, 1967) e imaginá-la de outro material. São projetos cuja expressividade depende fundamentalmente do elemento que os constitui, o tijolo.

Leia mais

O vernacular e o erudito da casa Eduardo Manzano, em Botucatu, de Vitor Lotufo

O vernacular e o erudito da casa Eduardo Manzano, em Botucatu, de Vitor Lotufo

CASA EDUARDO MANZANO: ENTRE O VERNACULAR E O ERUDITO

Como um mestre das corporações de ofício medievais, o arquiteto Vitor Amaral Lotufo elabora o processo construtivo no canteiro, orientando a mão de obra com base em desenhos técnicos resumidos, o que não deve ser confundido com o prático que desconhece a teoria. Vitor Lotufo tem longa experiência no ensino de arquitetura, em aulas teóricas, prática em laboratório e na sistematização das experiências em monografias de cálculo estrutural, por exemplo, para o qual contribui com um método geométrico de dimensionamento das estruturas. Assim fundamentou o conceito e o repertório técnico correspondente baseado na síntese entre vernacular e erudito: cúpulas nervuradas de concreto armado, icosaedros de argamassa armada, arcos, tesouras e pirâmides de alvenaria estrutural pilares torcidos, cascas parabólicas (de ferro, tijolo vazado, madeira e lajes pré-fabricadas), cúpulas geodésicas de madeira e telhas de barro, alvenaria estrutural de taipa de pilão e adobe de terra de cupinzeiro. Leia mais