BID divulga os 20 finalistas do concurso de projetos para soluções urbanas em Natal

BID divulga os 20 finalistas do concurso de projetos para soluções urbanas em Natal

O Departamento de Desenvolvimento Urbano e Habitação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) divulgou os 20 finalistas do concurso BID Urban Lab, que propôs aos universitários elaborarem um projeto urbanístico, social e patrimonial integrado, inovador e sustentável no bairro da Ribeira, em Natal, no Rio Grande do Norte. A iniciativa é promovida em parceria com a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Ministério das Cidades.

A próxima etapa será a seleção de três equipes finalistas, onde um membro de cada uma, em conjunto com o docente supervisor, poderá apresentar o projeto final à banca de jurados do concurso na sede do BID em Washington, D.C., nos Estados Unidos.

Leia mais

Projeto tira proveito do sol e do vento abundantes da região para criar residência em que variações de pés direitos e elementos vazados proporcionam o máximo de conforto ambiental

Projeto tira proveito do sol e do vento abundantes da região para criar residência em que variações de pés direitos e elementos vazados proporcionam o máximo de conforto ambiental

O jogo de cores da fachada é, à primeira vista, o aspecto mais marcante do projeto do escritório Arquitetos Associados para a Casa KS, em Vila dos Lagos, Natal. Feita de tijolos aparentes e elementos vazados, a face principal da residência responde às diferentes intensidades de luz. Em tom terracota, de dia ela se ilumina pela claridade do sol e à noite pela luz artificial que perpassa os nichos do interior para o exterior, criando uma espécie de brilho que envolve o robusto bloco da residência.

“O terreno está situado em um condomínio fechado, em uma cidade de clima quente, úmido e com ventos constantes”, explica Paula Zasnicoff, sócia-titular do Arquitetos Associados. Pois são esses os fatores que determinaram o partido do projeto. Por um lado, os clientes apresentaram o desejo de preservar sua privacidade; por outro, os arquitetos consideraram as características regionais para atender às necessidades de conforto térmico tirando máximo de proveito da iluminação e ventilação naturais. Dessa forma, a residência nasce de um subsolo semiaberto e cresce praticamente fechada para os exteriores. Há, porém, um imenso vão interno que cruza os três pavimentos da casa. O resultado é um lar com grande variedade de pés-direitos pelos quais a luz do sol e o abundante vento local circulam livremente.

Leia mais