Rede Arquitetos projeta agência de publicidade com programa divido em dois grandes setores e espaços integrados, em Fortaleza

Rede Arquitetos projeta agência de publicidade com programa divido em dois grandes setores e espaços integrados, em Fortaleza

O mar da praia de Iracema, em Fortaleza, foi a fonte de inspiração para a equipe de criação da Verve Comunicação, uma agência de publicidade da cidade. Instalada em um edifício comercial, a empresa ocupa uma área de 160 m², originalmente destinada a seis salas. A arquitetura de interiores ficou a cargo do escritório Rede Arquitetos, que se encarregou do projeto de ordenação dos espaços de trabalho.

O programa exigiu a definição de dois grandes setores. Um deles é composto por ilhas de criação integradas e flexíveis, ocupando a parte frontal do salão, marcada por grandes janelas com vista para a praia. Esse espaço livre de barreiras visuais, ideal para o convívio e a interação dos funcionários, é demarcado apenas pelo mobiliário. Assim, é possível fazer alterações de layout a qualquer tempo. O outro setor, que exigia mais privacidade, é formado por estações fixas, e constitui-se de salas reservadas como de reuniões, da diretoria, do financeiro e de brainstorm, visualmente integradas às ilhas de criação graças às divisórias de vidro com persianas. No centro da agência fica a sala de TI, que alimenta toda a agência e é dotada de backup, exigindo refrigeração 24 horas por dia. As extremidades são reservadas às áreas de apoio como recepção e copa.

Leia mais

Os profissionais que assinaram os projetos publicados na edição

Os profissionais que assinaram os projetos publicados na edição

O projeto e o entorno
Quando cursava FAUUSP no fim da década de 1970, Guilherme Paoliello 1 se uniu a André Vainer e mais um grupo de amigos para fundar um escritório. Alguns se dispersaram durante o percurso, mas Guilherme e André seguiram trabalhando juntos por mais 30 anos, até que a dupla decidiu seguir caminhos separados. Desde 2009, Gui trabalha sozinho – hoje com mais dois colaboradores -, e diz não ter havido nenhuma mudança essencial em seu jeito de fazer arquitetura. O arquiteto, que é um dos fundadores da Escola da Cidade, não se considera um arquiteto estrela. “Não faço trabalhos espetaculares, mas acho que tenho uma coisa de propriedade, de projetos econômicos que têm uma adequação com o lugar, com a paisagem ou com o ambiente urbano em que está colocado”, diz. Hoje tem cerca de 350 projetos construídos, dos quais predomina a área residencial.

Leia mais