Despretensiosa na linguagem arquitetônica e construída com materiais baratos e simples, casa projetada para ambulante mobiliza comunidade paraguaia para ser erguida

Despretensiosa na linguagem arquitetônica e construída com materiais baratos e simples, casa projetada para ambulante mobiliza comunidade paraguaia para ser erguida

Luis Villasanti, conhecido como Lui, vende chicletes há 45 anos na saída dos colégios de Mariano Roque Alonso, no Paraguai. Falante, alegre e brincalhão, sempre com uma anedota para contar, é querido por toda a comunidade. Tão querido que, quando falou a um amigo que precisava de uma casa própria, cerca de 1.500 pessoas da cidade se mobilizaram para ajudá-lo a erguer sua residência. Projetada pelo escritório Oficina Comunitaria de Arquitectura (OCA), a Vivienda Lui, como foi apelidada a sua casa, de linguagem arquitetônica despretensiosa, foi erguida com a menor quantidade de elementos arquitetônicos e construtivos possível.

“Os materiais são simples e facilmente encontrados no mercado: piso cerâmico e de cimento, tijolos cerâmicos, telhado de zinco e estrutura metálica”, afirma o arquiteto Luis Godoy, diretor do escritório OCA. Ele conta que a busca do essencial acabou se refletindo na casa, materializada pela arquitetura singela. “É uma linguagem que determina uma riqueza no simples, no humano, no local e no necessário”, conta o arquiteto. Leia mais

Residência projetada por José Cubilla em Assunção, no Paraguai, aposta na simplicidade estrutural e na clareza dos materiais empregados

Residência projetada por José Cubilla em Assunção, no Paraguai, aposta na simplicidade estrutural e na clareza dos materiais empregados

A residência situada em São Bernardinho, a 50 km de Assunção, nos demonstra a maturidade de projeto em que José Cubilla, dentro de uma geração singular de profissionais paraguaios em atividade, destaca-se por variada pesquisa em soluções construtivas. Ao lado dos paraguaios Javier Corvalán, Luis Alberto Elgue, Sergio Fannego e Solano Benitez, Cubilla demonstra as experiências em materiais e estrutura realizadas nos últimos 15 anos, unindo a tradição expressionista do modernismo na América espanhola com as tensões plásticas da estrutura de concreto armado, cuja principal fonte se apresenta nas obras da fase brutalista de Le Corbusier, e nas obras de Vilanova Artigas e de Paulo Mendes da Rocha.

O apelido dado à residência, Duas Vigas, demonstra esse interesse pela síntese da estrutura. Tal como a residência La Vivienda, projetada pelo arquiteto na mesma região de São Bernardino entre 2004 e 2005, na qual apenas uma laje e uma viga se destacam, neste novo projeto o mote mais uma vez é pela simplicidade da solução estrutural, com a clareza dos materiais como a expressividade do tijolo, constantemente presente na arquitetura paraguaia. Mas enquanto vemos a exploração da materialidade do tijolo levada ao máximo na hipérbole de Solano Benitez, podemos ver, tanto em Cubilla quanto em Corvalán, a investigação de fontes externas ao vocabulário local, trazendo mais riqueza ao cenário da arquitetura paraguaia. Leia mais