Editorial: potencializar os espaços

O projeto das Casas Gêmeas, de autoria do Zoom Arquitetura e que ilustra a capa desta edição, exemplifica como a arquitetura pode ser usada para potencializar o uso de um espaço. No terreno de um antigo sobrado, o escritório concebeu duas casas geminadas e ainda incluiu pequenas diferenças nas plantas para adequá-las a cada um dos moradores. Na Casa Barra Bonita, outro projeto desta edição, Nitsche Arquitetos em parceria com o Estúdio Trópico eliminaram obstáculos visuais criando uma residência multifuncional. A configuração permite que o espaço sirva também para abrigar eventos, ampliando literal e conceitualmente o horizonte dos proprietários, chefs de cozinha.

Leia mais

Hashim Sarkis, diretor de arquitetura do MIT, fala em entrevista para a AU

Hashim Sarkis, diretor de arquitetura do MIT, fala em entrevista para a AU

Hashim Sarkis é um arquiteto de fala calma, medida, pausada. O tom de voz, baixo, contrasta com a veemência de suas afirmações. Trata-se de pensatas e conclusões de quem lida com a prática – ele lidera um escritório com representação nos Estados Unidos e no Líbano, sua terra natal – ao mesmo tempo em que se dedica à pesquisa, ao ensino e à investigação. Diretor da escola de arquitetura e planejamento do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desde 2105, depois de uma passagem por Harvard, onde se pós-graduou e obteve seu PH.D., Sarkis esteve em São Paulo no final de setembro, viajou a convite do Arq.Futuro, plataforma de discussão sobre cidades que articulou uma parceria entre a instituição americana e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. A pesquisa em conjunto será voltada à habitação e prevê uma série de desdobramentos ainda em análise. Em encontro com alunos brasileiros, ele se disse emocionado ao visitar o prédio desenhado por Vilanova Artigas (“Eu deveria me ajoelhar, essa é uma verdadeira Meca”) e, citando Shakespeare, frisou a importância de cada projeto buscar o infinito, ainda que se atenha a um espaço físico limitado. Profundo estudioso das cidades e das dinâmicas que regem sua organização espontânea, Sarkis se interessa por geografia, disciplina na qual enxerga uma complementaridade natural à arquitetura. Nesta entrevista, ele compartilha sua visão sobre cidades e espaços públicos, batendo na tecla de que não adianta mais insistir numa suposta oposição entre centro e periferia para abordar os problemas urbanos atuais. Sem fugir ao costume de observar tudo o que for possível nas metrópoles que visita, ele faz alguns contrapontos a questões tão paulistanas, a exemplo da abertura da avenida Paulista para pedestres aos domingos. “Não demonizo o carro. A chave está na convivência”, afirma.

Leia mais