Responsável pelo redesign de alguns dos mais importantes hotéis do mundo fala sobre seu processo criativo e o desafio das intervenções

Responsável pelo redesign de alguns dos mais importantes hotéis do mundo fala sobre seu processo criativo e o desafio das intervenções

Ela compõe o time do mundialmente respeitado Champalimaud Design, estúdio responsável pelo desenho de três dos hotéis da Dorchester Collection: The Beverly Hills Hotel e Bel-Air, em Los Angeles, e The Dorchester, em Londres. Com criações espalhadas ao redor do globo, o grupo de designers liderado por Alexandra Champalimaud tem em Courtney Brannan a batuta da condução de grandes projetos. Nos últimos anos, a arquitetura hoteleira tem sofrido grandes mudanças conceituais e, embora seja essencial a escolha de matéria-prima de excelência, já não bastam os pés da mobília cravejados de pedras preciosas ou os espelhos venezianos para garantir uma boa experiência ao hóspede cada vez mais exigente. A coleção da Dorchester sem dúvida é vanguardista nessa visão, e esmera-se no serviço como seu principal atributo. “Nós projetamos para as pessoas e o nosso objetivo é deixar marcas positivas na vida delas, ao interagir com os nossos espaços. Não há nada mais satisfatório do que ler as resenhas sobre a atualização do Hotel Bel-Air, por exemplo. O bom design é duradouro e memorável”, conta Courtney. Confira a entrevista exclusiva com a designer.

“Transformar o contexto e a herança em histórias convincentes e experiências inigualáveis.” Assim Alexandra define a missão de seu escritório. Como é possível transformar e respeitar o patrimônio ao mesmo tempo?
Nossa empresa é capaz de extrair a essência do lugar. Respeitar a herança significa projetar tendo como referência o legado e a história da propriedade, transformando a experiência por meio da modernização de equipamentos e espaços e adicionando toques contemporâneos cuidadosamente combinados aos elementos-chave da arquitetura existente ou marcas importantes de design do passado. A transformação, embora seja sensível à história, implica compreender o espírito do edifício em questão. Sua empresa tem sido responsável por repaginar alguns dos hotéis da The Dorchester Collection, como o Bel-Air e o The Beverly Hills Hotel, ambos em Los Angeles.

Leia mais

Campus do Instituto Berggruen é o novo projeto de Herzog & de Meuron nos Estados Unidos

Campus do Instituto Berggruen é o novo projeto de Herzog & de Meuron nos Estados Unidos

O escritório suíço Herzog & de Meuron divulgou no dia 23 de agosto o seu novo projeto nos Estados Unidos. Trata-se do novo campus do Instituto Berggruen, que será executado próximo ao Parque Estadual Topanga Canyon, ao leste das montanhas de Santa Mônica, em Los Angeles.

O edifício será instalado em uma área de 182 hectares, que será 90% mantida. O objetivo foi criar um local de baixa densidade com espaços de reunião e estudo, residências para os estudantes e jardins por todo o parque, respeitando a paisagem ao seu entorno, preservando o cume existente e usando a Serpentine Road para acesso à Avenida Sepulveda e a entrada principal do instituto.

O prédio central de pesquisa será construído na beira da montanha com formato retangular e estrutura de concreto. A edificação contará com duas cúpulas onde serão abrigados um teatro para palestras com 250 lugares e um reservatório de água.

Leia mais

Incrustada na terra do cinema, a SCI-Arc, de Los Angeles, surgiu com a contracultura e permanece na vanguarda

Incrustada na terra do cinema, a SCI-Arc, de Los Angeles, surgiu com a contracultura e permanece na vanguarda

O cenário é de filme. Até porque estamos em Los Angeles. Entre galpões vazios, há um longo edifício com luzes que não cessam. É uma reencarnação perfeita do galpão decorado venturiano. Na frente dele, um outdoor anuncia o nome (quase) cinematográfico da instituição que abriga: SCI-Arc. O Southern California Institute of Architecture, ou Instituto de Arquitetura do Sul da Califórnia, é uma escola ímpar. A começar pelos diversos estúdios sem paredes que abrigam seus 500 estudantes.

O ponto de encontro é um vasto e iluminado corredor de 400 m que se conecta ao edifício principal. Ali, entre enormes desenhos impressos e ouvintes atentos de todo o mundo, acontecem os reviews, as bancas. Os alunos são convidados a apresentar suas propostas arquitetônicas para gente do naipe de Frank Gehry, Thom Mayne, Wolf Prix e Eric Owen Moss.

Leia mais