Arquiteta especialista em BIM fala sobre a difusão da técnica no Brasil em relação a outros países

Arquiteta especialista em BIM fala sobre a difusão da técnica no Brasil em relação a outros países

A arquiteta Denise Aurora iniciou sua vida profissional no setor de construção civil em 1998, quando concluiu o curso técnico em edificações no Cefet-MG. Produziu e participou de diversos projetos arquitetônicos (hotéis, empresas, escolas, institucionais, comerciais, residenciais), design de interiores, projetos executivos, entre outras atuações relacionadas à sua formação. Dedica-se ao gerenciamento de projetos na arquitetura. Em 2013, foi membro da Chicago Architecture Foundation, experiência que lhe permitiu observar uma nova cultura relativa à arquitetura em seus diversos âmbitos – produção, experimentação, valorização. Participou da Design Thinking Experience (Design Echos-SP) e cursou o Modern Building Design (University of Bath). Graduada em 2005 pela Universidade Fumec, em Belo Horizonte, Denise é especialista em BIM e coordenadora do Grupo de Trabalho BIM da AsBEA-MG. Gerenciamento de Projetos pela Fundação Dom Cabral.

O BIM para desenvolvimento de projetos de arquitetura já é realidade amplamente difundida no Brasil?
Em 2006, em nosso escritório começamos a busca por algum software que otimizasse os processos de criação, análise e respostas às equipes complementares de desenvolvimento de projeto. Não sabíamos, mas estávamos em busca do BIM. Ao longo desses anos, os desafios de implantá-lo foram muitos. Havia pouca informação disponível, carência de treinamentos nos softwares especializados ou de cursos de capacitação disponíveis. Tudo progrediu muito de lá para cá. Pouco difundida no país, a tecnologia BIM aplicada à arquitetura ainda está restrita a um grupo pequeno de profissionais. E muitos dos que usam têm uma visão limitada e enxergam a ferramenta como um meio, e não como um fim para a inovação na construção civil.

Leia mais

Responsável pelo redesign de alguns dos mais importantes hotéis do mundo fala sobre seu processo criativo e o desafio das intervenções

Responsável pelo redesign de alguns dos mais importantes hotéis do mundo fala sobre seu processo criativo e o desafio das intervenções

Ela compõe o time do mundialmente respeitado Champalimaud Design, estúdio responsável pelo desenho de três dos hotéis da Dorchester Collection: The Beverly Hills Hotel e Bel-Air, em Los Angeles, e The Dorchester, em Londres. Com criações espalhadas ao redor do globo, o grupo de designers liderado por Alexandra Champalimaud tem em Courtney Brannan a batuta da condução de grandes projetos. Nos últimos anos, a arquitetura hoteleira tem sofrido grandes mudanças conceituais e, embora seja essencial a escolha de matéria-prima de excelência, já não bastam os pés da mobília cravejados de pedras preciosas ou os espelhos venezianos para garantir uma boa experiência ao hóspede cada vez mais exigente. A coleção da Dorchester sem dúvida é vanguardista nessa visão, e esmera-se no serviço como seu principal atributo. “Nós projetamos para as pessoas e o nosso objetivo é deixar marcas positivas na vida delas, ao interagir com os nossos espaços. Não há nada mais satisfatório do que ler as resenhas sobre a atualização do Hotel Bel-Air, por exemplo. O bom design é duradouro e memorável”, conta Courtney. Confira a entrevista exclusiva com a designer.

“Transformar o contexto e a herança em histórias convincentes e experiências inigualáveis.” Assim Alexandra define a missão de seu escritório. Como é possível transformar e respeitar o patrimônio ao mesmo tempo?
Nossa empresa é capaz de extrair a essência do lugar. Respeitar a herança significa projetar tendo como referência o legado e a história da propriedade, transformando a experiência por meio da modernização de equipamentos e espaços e adicionando toques contemporâneos cuidadosamente combinados aos elementos-chave da arquitetura existente ou marcas importantes de design do passado. A transformação, embora seja sensível à história, implica compreender o espírito do edifício em questão. Sua empresa tem sido responsável por repaginar alguns dos hotéis da The Dorchester Collection, como o Bel-Air e o The Beverly Hills Hotel, ambos em Los Angeles.

Leia mais

Estrutura mista: aço e concreto garantem a forma ousada do prisma proposto pelo escritório Dávila Arquitetura para a maior torre metálica do país

Estrutura mista: aço e concreto garantem a forma ousada do prisma proposto pelo escritório Dávila Arquitetura para a maior torre metálica do país

Detalhado em reportagem de capa da edição de março da revista Téchne (da Pini, que também publica aU), o ousado projeto estrutural que pôs de pé o recém-inaugurado Concordia Corporate Tower conseguiu viabilizar o movimento da planta em forma de estrela que se rotaciona no sentido do comprimento do edifício. “A opção por uma planta em formato de ‘estrela’, que se modifica gradualmente a cada andar e define a volumetria, não foi empírica. Cada uma das quatro fachadas de cortina de vidro apresenta um rasgo, que se movimenta verticalmente com uma suave inclinação. Durante a noite, esse efeito pode ser visto a longa distância graças ao sistema de iluminação em LED”, descreve a reportagem.

O embasamento do Concordia tem como elemento-chave a estrutura localizada entre o oitavo subsolo e o térreo, de concreto armado e protendido. O sistema de concreto armado tem trechos de vigas e lajes protendidas moldadas in loco. A partir do pavimento térreo, optou-se por estrutura mista de aço e concreto, incluindo um core (núcleo) rígido de concreto. “Essa solução permitiu concentrar a fundação do núcleo em área pouco maior do que a da sua projeção, como se fosse um prolongamento do próprio núcleo solo adentro”, explica o engenheiro Paulo Bedê, da Bedê Engenharia de Estruturas, responsável pelo projeto estrutural do Concordia.

Leia mais

Artigo: Plano Diretor Estratégico de São Paulo é complexo, mas trouxe inovações para o mercado imobiliário

Artigo: Plano Diretor Estratégico de São Paulo é complexo, mas trouxe inovações para o mercado imobiliário

Recém-completado três anos de sua implantação, o novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo, lei municipal que orienta o crescimento e desenvolvimento da cidade, trouxe alguns avanços.
Os dois pontos que mais tem chamado a atenção são as facilidades oferecidas para as incorporadoras que lançarem prédios mistos, onde estejam presentes tanto unidades residenciais quanto comerciais, e os empreendimentos lançados na área central de São Paulo.

Pode-se dizer que essas novas regras se enquadram no novo padrão de vida desejado pelas pessoas que querem ser mais dinâmicas e, assim, trabalhar, morar e se divertir sem precisar de longos deslocamentos. Isso também torna a cidade mais justa e igual, com transporte de qualidade e mobilidade, respeito ao meio ambiente e aos moradores.

Leia mais

Aula de projeto: Clínica Muricy, em São Paulo

Aula de projeto: Clínica Muricy, em São Paulo

Boa parte do que conhecemos como Escola Paulista de Arquitetura caracterizou-se por residências paulistanas localizadas em bairros de baixa densidade como Pacaembu, Morumbi, Alto de Pinheiros, entre outros. Hoje, ainda que as preocupações dos arquitetos venham recaindo sobre grandes temas sociais e coletivos em busca de maiores adensamentos e compactação das cidades, a casa e outras pequenas edificações permanecem como referências para experimentação e valorização das práticas de projeto com ênfase na construção de valorosos posicionamentos estéticos. Com a evolução da cidade e novas formas de ocupação confirmadas por transformações na legislação de uso e ocupação do solo, bairros como Alto de Pinheiros, com baixa densidade, ruas arborizadas e ajardinadas, além de arsenal substantivo de obras modernas predominantemente residenciais, vêm transformando seus usos sem perder suas principais características físicas,  identificadas por pequenas edificações autônomas que conservam em suas linhas muitos dos princípios da arquitetura moderna, das estratégias compositivas e de experimentações materiais relevantes.

Surge assim, na Avenida Pedroso de Moraes, a Clínica Muricy, cujo programa é focado em tratamentos capilares e procedimentos estéticos de alto desempenho. Na perspectiva da construção da paisagem – uma das principais dimensões públicas da arquitetura – os elementos inseridos pós-concretagem são simples  e preservam a plasticidade definida pela estrutura. O branco dos painéis rebate-se no piso de pedras portuguesas também brancas e nas esquadrias da mesma cor do delicado muro/portão em alumínio anodizado branco com fechamento de vidro junto ao passeio.

A seguir os principais pontos do projeto.

Leia mais

Ampliação do hotel Tierra Chiloé, do Mobil Arquitectos, camufla prédio na ilha chilena

Ampliação do hotel Tierra Chiloé, do Mobil Arquitectos, camufla prédio na ilha chilena

O grupo de hotéis Tierra (Patagônia, Atacama e Chiloé) tem como uma de suas marcas a arquitetura adaptada  às técnicas locais e o mimetismo da implantação ao cenário natural de cada um dos ecossistemas nos  quais as unidades foram construídas. Recentemente, o Tierra Chiloé — que passou por ampliação que dobrou a capacidade de 12 para 24 apartamentos — foi destacado pela
Condé Nast Traveler Hot List, na lista de Travel + Leisure e em Fodor’s 100, surpreendendo por sua arquitetura vanguardista, que resgata, segundo o jure, a identidade do arquipélago de Chiloé. Além de um grande número de ilhas de menor tamanho, a região, situada ao sul do Chile, compreende a Ilha Grande de Chiloé, a quinta maior da América do Sul (depois da Terra do Fogo e as ilhas brasileiras de Marajó, Bananal e Tupinambarana).

O arquipélago tem uma população de cerca de 150 mil pessoas, e uma superfície de 9.181 km².

Leia mais