Prefeito do Rio de Janeiro assina termo de cessão de uso do terreno para o Memorial do Holocausto, assinado por André Orioli

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, assinou em abril o termo de cessão de uma área no Morro do Pasmado, em Botafogo, onde será construído o Memorial do Holocausto. A solenidade aconteceu no Clube Israelita Adolph Bloch, na Barra da Tijuca, durante as comemorações do “Yom Haatzmaut”, que celebrou os 70 anos da independência do estado de Israel. A área foi cedida à Associação Cultural Memorial do Holocausto, responsável pela captação de recursos da iniciativa privada para execução de todo o projeto.

O projeto do Memorial é de autoria do arquiteto André Orioli, vencedor do concurso promovido pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) em parceria com o governo municipal. “A cessão do terreno é um passo fundamental para tornarmos esse sonho uma realidade. Há 25 anos, desde a ideia do Memorial, aguardamos para tirar do papel esse projeto que resgata uma história e serve de alerta e reflexão paras as próximas gerações”, afirma o presidente da Associação Cultural Memorial do Holocausto, Arnon Velmovitsky.

O local contará com rampas de acesso, área para solenidades, galeria circular com três divisões, espaço de mídias digitais, auditório para 130 pessoas, copa, administração e sala de reuniões. Os visitantes terão à disposição internet gratuita, bicicletário e banheiro. No projeto está prevista a construção de uma torre dividida em 10 partes, simbolizando os mandamentos bíblicos. O monumento terá 22 metros de altura e, em sua base, será escrito “Não matarás”.

Para o prefeito, a importância do projeto é de lembrar este momento é para que o passado não volte. “A história mostra que quando a gente não vigia, o passado volta. Então, nós temos que vigiar. Ensinar nossas crianças na escola, nossos jovens nas universidades. A maior homenagem que podemos prestar aos seis milhões de mortos vítimas do nazismo é bradar ao mundo: Holocausto, nunca mais!”, afirma.

Com a construção do memorial, o Rio passa a ser mais uma das grandes metrópoles que contam com homenagens às vítimas do holocausto como Londres, Paris, Berlin, Nova York e Washington.

Por Gabriel Gameiro