Responsável pelo redesign de alguns dos mais importantes hotéis do mundo fala sobre seu processo criativo e o desafio das intervenções

Ela compõe o time do mundialmente respeitado Champalimaud Design, estúdio responsável pelo desenho de três dos hotéis da Dorchester Collection: The Beverly Hills Hotel e Bel-Air, em Los Angeles, e The Dorchester, em Londres. Com criações espalhadas ao redor do globo, o grupo de designers liderado por Alexandra Champalimaud tem em Courtney Brannan a batuta da condução de grandes projetos. Nos últimos anos, a arquitetura hoteleira tem sofrido grandes mudanças conceituais e, embora seja essencial a escolha de matéria-prima de excelência, já não bastam os pés da mobília cravejados de pedras preciosas ou os espelhos venezianos para garantir uma boa experiência ao hóspede cada vez mais exigente. A coleção da Dorchester sem dúvida é vanguardista nessa visão, e esmera-se no serviço como seu principal atributo. “Nós projetamos para as pessoas e o nosso objetivo é deixar marcas positivas na vida delas, ao interagir com os nossos espaços. Não há nada mais satisfatório do que ler as resenhas sobre a atualização do Hotel Bel-Air, por exemplo. O bom design é duradouro e memorável”, conta Courtney. Confira a entrevista exclusiva com a designer.

“Transformar o contexto e a herança em histórias convincentes e experiências inigualáveis.” Assim Alexandra define a missão de seu escritório. Como é possível transformar e respeitar o patrimônio ao mesmo tempo?
Nossa empresa é capaz de extrair a essência do lugar. Respeitar a herança significa projetar tendo como referência o legado e a história da propriedade, transformando a experiência por meio da modernização de equipamentos e espaços e adicionando toques contemporâneos cuidadosamente combinados aos elementos-chave da arquitetura existente ou marcas importantes de design do passado. A transformação, embora seja sensível à história, implica compreender o espírito do edifício em questão. Sua empresa tem sido responsável por repaginar alguns dos hotéis da The Dorchester Collection, como o Bel-Air e o The Beverly Hills Hotel, ambos em Los Angeles.

Quais os aspectos mais relevantes desses projetos, considerando respeitar o passado da propriedade e introduzir novas ideias criativas?
Para o projeto de remodelação do Bel-Air, a missão era modernizar o hotel como um todo. Estávamos atentos à sua história, mas renovamos todos os móveis, os acessórios e os acabamentos, com indicações dos anos 30, 40 e 50, que traduziam a alma da arquitetura original do hotel. Os bangalôs do The Beverly Hills Hotel não passaram por nenhuma reforma em quase 25 anos. Mantivemos em mente a tradição do hotel, o glamour de Hollywood e os interiores clássicos — lendas como Frank Sinatra e Elizabeth Taylor foram visitantes fiéis. Os bangalôs foram tratados como se fossem pequenas casas, e nossa abordagem foi como poderíamos criar experiências únicas que pareceriam personalizadas para cada hóspede.

De onde veio a inspiração para a combinação de formas, cores e texturas, como o lobby do Bel-Air?
O lobby do Hotel Bel-Air foi concebido para envolver os visitantes em um sentimento de boas-vindas e admiração. Ao mesmo tempo, oferece de cara uma sensação de descanso aos convidados. Mantivemos a paleta de cores neutras e centradas em tons naturais, acentuando o espaço com linhas fortes e arrojadas no mobiliário.

Projetos de retrofit e renovação devem considerar a memória de prédios antigos e icônicos. Como você pode introduzir tecnologia sem mudar o aspecto tradicional dos famosos hotéis?
O viajante moderno espera um certo nível de tecnologia disponível nos quartos e nas demais dependências dos hotéis. Independentemente do histórico das propriedades, as mais icônicas estão entre as primeiras a serem atualizadas. Trabalhamos em torno da arquitetura e com molduras tradicionais. Em vez de integrar a tecnologia à arquitetura, normalmente a incorporamos em nossos projetos de mobiliário, para manter os elementos históricos do hotel intactos.

Você tem projetos em todo o mundo. Considera aspectos locais ao criar novos espaços?
Nossa empresa é especializada em incorporar a cultura local nos projetos em que trabalhamos. Pensamos em nós mesmos como antropólogos que expressam a compreensão de estilos de vida por meio de espaços maravilhosos que elevam a qualidade de vida. Queríamos permanecer fiéis à Califórnia com o Hotel Bel-Air e o The Beverly Hills Hotel. Abastecemos o hotel com produtos de fabricantes locais e os interiores evocam uma sensação da Idade de Ouro da Califórnia, cheia de charme.

O que é um bom design contemporâneo?
Um bom design contemporâneo é atemporal. Tem a modernidade associada às perspectivas de design atuais, sem perder a elegância.

O que é design sustentável?
O design sustentável é implementado de forma prática — adquirindo-se materiais locais com plena consciência e considerando-se o impacto decorrente da implementação de cada projeto.

Quais são as etapas de seu processo criativo?
Começa com uma pesquisa cuidadosa, se sustenta pela estreita comunicação com o cliente e acontece graças à imersão nas hipóteses que façam o espaço ganhar vida.

ACESSO AO THE BEVERLY HILLS HOTEL, EM LOS ANGELES
RESPEITO À MEMÓRIA E INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA

POR GUSTAVO CURCIO