Escritório Königsberger Vannucchi aposta em transparência para integrar o Sesc à Avenida Paulista, em São Paulo

Após sete anos fechado para reforma, o novo Serviço Social do Comércio (Sesc) Avenida Paulista, em São Paulo, será inaugurado no dia 29 de abril. Com projeto do escritório Königsberger Vannucchi, o prédio foi criado para ser uma extensão da avenida, um território livre onde qualquer um pode entrar e usufruir de determinadas áreas. O prédio original foi projetado por Sérgio Pileggi e Euclides de Oliveira nos anos 70.

Uma das primeiras coisas que se fica clara logo que se olha para o edifício é sua transparência. Com muitos vidros, terraços e áreas abertas, os usuários poderão sempre olhar para a Avenida Paulista e seus arredores, assim como serem visualizados pelo público de fora. Todos os andares, instalações e estruturas foram feitos apoiados no tema “Corpo-Arte-Tecnologia”.

De acordo com os arquitetos, um dos principais desafios da obra foi transformar o edifício inicialmente projetado para ser de escritórios em uma área de recreação. “Não queria fazer uma arquitetura espalhafatosa, queria que de fora desse para perceber que não é um edifício de escritórios. Usamos recortes que não se vê em edifícios normais e muitos vidros para as pessoas poderem ver que não é um prédio comercial”, afirma Gianfranco Vannucchi. A fachada é composta por dois lados de vidros e placas de zinco e dois lados vedadas com pré-moldados leves ou alvenarias.

Os espaços foram distribuídos pelos 17 pavimentos considerando quatro aspectos básicos: a vizinhança entre atividades similares, os níveis de ruído produzido pelas atividades, o volume de público acessando a unidade e as visuais externas. O acesso à nova unidade, a partir da Av. Paulista, acontece em grande área de convivência com espaço multiuso para shows e performances e um paraciclo com capacidade para 40 bicicletas. No térreo também se encontram duas escadas rolantes, seis elevadores e duas escadas de incêndio pressurizadas para o acesso aos pavimentos superiores.

Além do efeito estético, de acordo com os arquitetos, a grande lâmina de vidro tem a função de antecâmara acústica e térmica, sempre ladeando um terraço interno ventilado naturalmente, que funciona como um anteparo aos ambientes refrigerados. Estes, por sua vez, têm suas vedações com o corredor definidas a partir da quantidade de luz desejada, em vidro com controle solar e os espaços para espetáculos e exposições são contemplados com blackout.

Já no 2º pavimento há a central de relacionamento, loja Sesc e uma área de convivência. No 3º pavimento, o espaço para crianças. No 4º pavimento, um espaço voltado para práticas experimentais e artísticas. No 5º e no 6º pavimento, o Arte I, espaço para apresentações, performances e exposições, com camarins e mezanino.

O 7º e 9º pavimento são áreas de administração. No 8º pavimento é a área da odontologia, composto por sete consultórios para atendimento de diversas especialidades. No 10º, 11º e 12º andares são o Corpo I, II e III, um núcleo esportivo, onde há academia com um programa de ginástica multifuncional, um voltado para a prática de esportes e o outro focado no pilates. No 13º e 14º pavimento, fica o Arte II, espaço para apresentações, performances e exposições, com camarins e mezanino. No 15º pavimento fica a biblioteca com um amplo acervo de livros para empréstimo. No 16º pavimento é a comedoria, onde as pessoas podem experimentar o cardápio do Sesc. Por fim, no 17º andar, é o Café Terraço e Mirante, onde você pode ter uma vista panorâmica da Avenida Paulista e de outros lados da cidade.

Para o diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda tudo isso se resume em um grande desafio. “A maior dificuldade foi a transformação, colocar tudo que o Sesc oferece dentro desse prédio, que na realidade era um prédio comercial”, afirma. Reforçando esta integração entre as atividades e os pavimentos de exposição existem vazios nas lajes, totalmente abertos. Foram criadas escadas entre os pavimentos, integrando visualmente e fisicamente as atividades da unidade.

Por Gabriel Gameiro