Edifício com arquitetura sinuosa fez a diferença no interior da nova sede da SulAmérica Seguros em São Paulo

Um edifício projetado pelo escritório Aflalo&Gasperini próximo ao Largo da Batata, em Pinheiros, na Zona Oeste da cidade de São Paulo, foi eleito como o ideal para a nova sede da SulAmérica Seguros, quando a empresa optou pela mudança do antigo prédio de 18 mil m² que ocupava próximo ao Shopping Cidade Jardim, em São Paulo. Para apoiar a transferência, uma parceria com a unidade brasileira do escritório Perkins+Will foi consolidada a fim de encontrar as melhores soluções com base no diagnóstico de funcionamento da empresa e do modo de trabalho dos funcionários, assim como na análise de mudanças e adaptações no modelo de operação e desempenho.

O edifício de 13 andares conta com cinco subsolos para estacionamento e um auditório com capacidade para 84 pessoas. No projeto original, o formato do prédio é marcado por uma angulação de quase 90 graus que dá uma aparência de bumerangue à estrutura. Para maximizar a circulação e o campo de visão contínuos, os arquitetos da Perkins+Will optaram por inserir uma chapa metálica ondulada denominada miniwave, comum em fachadas, que consegue assumir diferentes curvaturas. O recurso também conferiu maior privacidade aos funcionários e organizou a circulação, uma vez que conduz as pessoas indiretamente pelas laterais dos andares. Ademais, separou as áreas de banheiros e de circulação vertical da região de trabalho, estabelecendo espaços para impressão e pontos de café e amenidades.

Os caixilhos e as janelas, além de ampla iluminação natural – importante para um prédio com certificação Leed, como é o caso do projetado pelo Aflalo&Gasperini -, colaboram para essa impressão de espaços interligados, uma vez que possibilitam visões transversais. Nas pontas de cada pavimento há salas envidraçadas de diretoria, assim idealizadas para permitir um maior contato entre os profissionais. As mesas de trabalho estão posicionadas uma ao lado da outra e, ao final delas, encontram-se os gerentes de cada grupo. No centro de cada pavimento há pequenos lounges para reuniões rápidas. Há ainda bancadas de apoio para trabalhadores terceirizados. Como a matriz da empresa está localizada no Rio de Janeiro, muitos dos aproximadamente 1.700 funcionários da unidade ficam permanentemente em trânsito. A mobilidade é intensificada pela opção por aparelhos eletrônicos portáteis.

Todos os pavimentos foram desenvolvidos a partir de uma mesma base de materiais, cores e de organização de circulação, com os diferentes setores divididos por andar. Há os que foram planejados para comportar atividades específicas: o primeiro andar é de salas de treinamento e de ambulatório e o segundo, de investimentos. Pela confidencialidade exigida, este tem configuração mais sóbria e fechada, com salas privativas. O 13º pavimento é reservado ao presidente e vicepresidentes. Trata-se de um andar bastante amplo e aberto, de modo que, mesmo lá, as pessoas trabalham em conjunto. Alguns andares, por sua vez, têm apenas modificações pontuais, como o marketing, que conta com salas para assessoria de imprensa.

O 11º andar é destinado somente a reuniões. É para lá que todos os visitantes são direcionados. Cerca de 24 salas, algumas componíveis, separadas por divisórias tanto de fórmica quanto de vidro branco, estão disponíveis para utilização. As salas foram alocadas no canto interno e no centro do pavimento, o que deixou a área próxima aos caixilhos livre como um corredor. Isso faz com que a iluminação natural seja mais bem aproveitada, sem que se altere a eficiência energética decorrente de uma possível elevação de temperatura. As salas de reunião têm acesso biométrico e podem ser reservadas por qualquer funcionário por meio de um sistema online. Todas foram equipadas com televisores e telões, o que permite a realização de conferências e apresentações digitais.

Esta foi a proposta do Perkins+Will para o novo espaço: manter fidelidade à imagem tradicional de uma empresa com mais de 100 anos no mercado, mas que, ao mesmo tempo, está em constante busca por inovação. O aspecto contemporâneo é garantido por meio do uso de materiais metálicos, sóbrios e acinzentados, por vezes acrescidos do carpete em placas, pela inserção da madeira e por tons de azul e laranja, característicos da empresa.

Associado ao piso vinílico na área de circulação – eleito por sua maior resistência e facilidade de manutenção -, o carpete Beltch sobre o piso elevado colabora para o isolamento sonoro do prédio. O forro mineral da Armstrong e o vidro da estrutura também têm tratamento acústico e térmico. Quando eleito como nova sede paulistana da SulAmérica, o edifício ainda estava em construção, então, pôde ser ligeiramente alterado para algumas necessidades da empresa, a exemplo do forro, do sistema de iluminação e da instalação de aparelhos de ar condicionado.

O novo endereço conta com vestiários e bicicletário, o que, aliado à localização de fácil acesso, acabou gerando maior adesão ao programa carro-chefe de saúde da empresa. Segundo os autores do projeto, os funcionários manifestaram, em pesquisa interna de satisfação, sua aprovação com o novo espaço de trabalho, havendo, inclusive, aumento de produtividade.

POR: GIOVANNA GHELLER FOTOS: DANIEL DUCCI