Criado em sintonia com o marketing, projeto de escritório de assessoria financeira foge do visual impessoal e monocromático, tão comum em instituições dessa natureza

A mudança de endereço coincidiu com a mudança no posicionamento estratégico da marca. Assim, o projeto de interiores da nova sede da Brainvest, empresa focada em wealth management (gestão de fortunas), teve como premissa criar espaços que não só atendessem às necessidades de ampliação do escritório, mas que também refletissem sua nova identidade corporativa, associada aos conceitos de confiança, empatia e dinamismo.

Coube às arquitetas Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiak Bitran, da KTA Arquitetura, captar as intenções do cliente e traduzi-las no imóvel de 200 m² instalado no 12º andar de um edifício comercial do bairro de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. “Anteriormente, ali funcionava um escritório de advocacia com um visual sério e tradicional. Nosso desafio foi tornar a área mais leve e atraente, sem deixar de aproveitar alguns elementos existentes, como divisórias, forro de gesso e carpete”, contam as arquitetas.

LAYOUT FLUIDO E FUNCIONAL
A concepção do layout exigiu a compreensão de como uma assessoria de investimentos trabalha. Dada a intensa rotina de encontros com clientes, por exemplo, havia a demanda por salas de reuniões de diferentes tamanhos – por isso, foram mantidos os quatro ambientes desse tipo que se encontravam delimitados no imóvel. Já a área do staff pedia mais liberdade e amplitude, além de uma atmosfera despojada, para que ideias e informações pudessem fluir livremente entre os colaboradores. Com isso em mente, as arquitetas optaram pela derrubada de duas paredes que compartimentavam o setor. Agora, nem mesmo a diretoria fica completamente fechada: o isolamento parcial foi feito com uma divisória em drywall dotada de vidros nas laterais. Essa parede de gesso acartonado foi executada com reforço para a instalação de quatro aparelhos de TV (dois de cada lado), por meio dos quais os funcionários podem acompanhar os índices e cotações do mercado financeiro.

A única alteração significativa na planta foi a criação de um banheiro com chuveiro. “Os proprietários pensaram em atender os funcionários que vão trabalhar de bicicleta e também quem, eventualmente, chega ali direto do aeroporto depois de uma viagem cansativa”, explica Ana Cristina. A área destinada aos serviços conta ainda com copa e centro de processamento de dados (CPD).

O carpete existente estava em boas condições, motivo pelo qual pôde ser preservado. Onde isso não foi possível, como na recepção e nas áreas de circulação, as arquitetas optaram pelo revestimento vinílico que, segundo elas, oferece o melhor custo-benefício para ambientes corporativos. Por se tratar de um piso elevado, especificou- se um modelo em placas, que facilita o acesso à infraestrutura de cabeamento durante manutenções.

As arquitetas ressaltam que as cores atuam como protagonistas do projeto: “Tiramos partido da comunicação visual recém-adotada pela Brainvest, especialmente no que diz respeito ao logo, que combina um toque de laranja com diferentes matizes de verde e fendi”. Comparecendo em todos os ambientes, essa paleta cria um elo entre eles e garante uma linguagem coesa ao conjunto.

COR E PERSONALIDADE
As tonalidades frias presentes nas cinco linhas do logotipo foram reproduzidas no painel instalado na recepção, composto por chapas de MDF pintadas de esmalte fosco. “Um problema pode virar solução. Aqui, concebemos essa estrutura com a intenção de camuflar duas portas de serviço e um quadro de luz que interferiam demais no campo visual de quem adentra o escritório. Justamente esse elemento acabou roubando a cena”, avalia Ana Cristina. Seguindo o formato em L do painel, foram embutidos no forro de gesso spots equipados com leds que reproduzem o facho direcionado das lâmpadas halógenas – a iluminação cênica ajuda a destacar as faixas coloridas.

O conjunto de mobiliário desenhado pelas arquitetas inclui ainda os balcões da recepção e da sala de reunião principal – ambos executados em marcenaria e arrematados com tampo de mármore carrara -, bem como as estantes da área do staff. Em todas as peças, a preocupação em reproduzir com fidelidade as cores Pantone do logo descartou o uso de laminado melamínico como revestimento: o esmalte fosco levou vantagem pela ampla cartela de tons disponíveis.

POR: CARINE SAVIETO FOTOS INÉS ANTICH