Terreno onde havia um sobrado passa a abrigar duas casas geminadas, estruturadas com passarelas cobertas e pátio central

Um sobrado típico do bairro de Vila Madalena, em São Paulo, cedeu espaço para a construção de duas casas geminadas, em um projeto do escritório Zoom Urbanismo Arquitetura e Design. O desafio foi enfrentar a diminuta dimensão frontal do terreno, de pouco menos de 10 m, particularidade recorrente nos lotes paulistanos. Cada um dos sobrados construídos tem 165 m² de área e um programa de necessidades idêntico, para abrigar dois irmãos – daí a denominação Casas Gêmeas.

O partido adotado consiste na alternância entre áreas livres e corpos edificados, unidos por uma passarela coberta. Apesar de invólucros iguais, algumas demandas específicas dos proprietários se refletiram em pequenas diferenças em planta. Em uma das casas, há uma sala de estar ampla no térreo, espaço contínuo e único. Na outra, logo na entrada e ocupando uma parte do que seria a sala, está o consultório da proprietária, que é psicóloga. As discretas dimensões deste ambiente são compensadas pelo uso da porta de correr, integrando-o à sala e proporcionando melhor luminosidade.

No piso superior da primeira casa estão uma suíte e dois dormitórios. Já na segunda casa, também no pavimento superior, o quarto voltado para o pátio interno tem uso flexível, podendo funcionar como dormitório ou sala íntima.

Um pátio central de 12 m² assume um papel fundamental. Para ele se voltam as dependências sociais e a cozinha, dotadas de portas de correr envidraçadas que ocupam toda a superfície dos três vãos. Isso garante ampla iluminação e, ao mesmo tempo, proporciona a máxima continuidade visual, estendendo-se de um extremo a outro das residências.

A superfície envidraçada do vão central prolonga-se até o piso superior. Fixa e com bandeira basculante numa das laterais, enfatiza a escada de único lance e a passarela coberta de ligação entre os dois corpos – um momento espacial dos mais ricos, por proporcionar uma inusitada ousadia.

Para assegurar aos dormitórios uma melhor iluminação, os arquitetos optaram pelo emprego de claraboias, enquanto os banheiros são dotados de janelas piso-teto, com vidro branco na área do boxe. A claraboia situada sobre o vazio da escada tem também a intenção de possibilitar o acesso à cobertura, hoje limitado a escadas de marinheiro. Tal cuidado aparece também no trecho superior do muro divisório entre as residências, com o emprego de cobogós (elementos vazados de concreto), que asseguram privacidade ao andar superior.

Construtivamente, a solução adotada é simples. Paredes de blocos de alvenaria estrutural, revestidos e pintados na cor branca e lajes- -painel pré-fabricadas de concreto deixado aparente, com exceção da passarela, moldada in loco. Nos pisos da sala de estar e da cozinha, foi utilizado porcelanato. Já os pisos dos dormitórios, da passarela e do deque do pátio central são revestidos com madeira cumaru.

No recuo frontal, usado como estacionamento, foram criadas pérgolas de madeira e metal, com fechamento em placas de vidro translúcido. Essa solução permite que o espaço seja utilizado como uma pequena sala de estar. Segundo o arquiteto Guilherme Ortenblad, sócio do escritório, “a continuidade espacial traz a vantagem de permitir ver o céu”, algo incomum em São Paulo.

Para que as Casas Gêmeas não vestissem roupas totalmente idênticas, o portão de uma delas é basculante, composto por chapa metálica perfurada. O outro é um painel ripado, formado por perfil metálico tubular. Com muitas semelhanças e algumas diferenças, as duas construções alcançam um resultado harmônico a partir de uma interessante ocupação espacial.

ALIKE, BUT DIFFERENT
A typical Vila Madalena Borough two-story house, in São Paulo, has made space for the construction of two attached houses, projected by Zoom Urbanismo Arquitetura e Design. The challenge was to face the small frontal dimension of the grounds, which was just shy of 10m. Each one of the two-story constructions has a floor space of 165 m² and a program of identical necessities to house two siblings – thus the denomination Identical Houses. The adopted outset fell to the alternation between open-space areas and constructed bodies, joined by a covered walkway. Despite equal outer casings, a few of the owners’ specific demands are reflected in small differences in the layout. In one of the houses, there is the continuous single space of the living room on the ground floor. In the other, right at the entrance and occupying a part of what will be a room, is an office for the owner, who is a psychologist.

A central 12 m² patio takes on a fundamental role. The social premises and kitchen, installed with sliding glass doors, look out on the patio.

Constructively, the adopted solution is simple. Structural masonry block walls, plastered and painted white and precast exposed concrete panel slabs, except for the walkway panels, which were cast on site. In the front setback, used as parking, pergolas of wood and metal were created and enclosed in panes of translucent glass. This solution allows the space to be used as a small lounge area. According to architect Guilherme Ortenblad, a partner at the firm, “the spatial continuity adds the advantage of being able to see the sky”, which is unusual in São Paulo. With many similarities and a few differences, the two constructions accomplish a harmonic result based on an interesting spatial occupation.

POR LEDY VALPORTO LEAL FOTOS MAÍRA ACAYABA