Pavilhão de alumínio espelhado brinca com imagem de quem passa por parque público no Chile

Mais fino, mais alto, achatado, estendido. Foi com a incerteza da realidade provocada por meio da distorção do ambiente que Guillermo Hevia García e Nicolás Urzúa Soler quiseram brincar ao usar espelhos côncavos e convexos na instalação Tu Reflexión. Localizada em Santiago, no Chile, a estrutura ganhou o concurso YAP_Constructo 6 e foi erguida no Parque Araucano da cidade.

O YAP Constructo é uma das versões do The Young Architects Program (YAP), que acontece também em Nova York, Istambul, Roma e Seúl, e se trata de uma colaboração anual entre o Museu de Arte Moderna e o MoMa PS1. O objetivo do projeto vencedor dessa sexta edição, um pavilhão de lazer em espaço público, era que os usuários interagissem com o universo gerado pelas imagens distorcidas de pessoas e do lugar originadas a partir do formato dos painéis espelhados e de sua mescla quase plena com o ambiente. “Nós multiplicamos a quantidade de situações de reflexão e deformação para produzir uma interação pertencente ao mundo das ilusões, mais surreal do que real”, dizem os arquitetos. Para isto, o local escolhido também deveria ser minimamente lúdico: ter uma paisagem com vales, vegetação, flores e água, que, além de colaborar para a criação de um ambiente imaginário, naturalmente cativasse o público, já que a estrutura pode também ser suporte para eventos culturais. “Nós pudemos observar que um jeito de se medir uma boa cidade é pela quantidade de atividades e espaços de livre acesso de qualidade que ela oferece a seus habitantes”, completa a dupla, que procurou inserir o pavilhão nessa lógica.

Guillermo e Nicolás já namoravam a ideia da instalação desde antes do concurso, ainda que em uma versão diferente, de madeira. O primeiro protótipo foi feito nesse material e com aço espelhado, o que resultou em algo muito pesado. Os amigos, que nunca tiveram um escritório conjunto formal, mas trabalharam durante quatro anos em diversos projetos compartilhados, viram no YAP a oportunidade de colocar os estudos à prova de maneira concreta. Fizeram um molde na escala 1:1, para provar que seria viável.

Para alcançar as experiências não convencionais desejadas, a estrutura foi elaborada composta por 120 m de alumínio espelhado bidimensional, que correspondem a 100 placas de 1,2 m de largura, 3,5 m de altura e 22 mm de espessura. Essas placas estão instaladas 30 cm abaixo do solo e configuradas e estruturadas por meio de concavidades e convexidades que permitem que sejam capazes de se sustentar e permanecer no mesmo nível de altura. Em substituição à madeira, foi usada uma estrutura de sustentação de alumínio em formato de favo de mel e terminação do mesmo material. A vantagem era ser muito mais leve e não esquentar diante da incidência solar.

Foram desenhadas cinco matrizes de cinco raios diferentes responsáveis por dar o formato desejado ao desenho de montagem. Todas as peças são compatíveis, de maneira que se poderiam criar formas muito diferentes. As placas foram testadas na etapa de protótipo com cargas pontuais de 400 kg, tendo uma deformação de 5 cm, para não se romperem com facilidade.

Segundo Guillermo, o projeto foi desenvolvido seguindo um modelo que pode ser facilmente replicado em lugares heterogêneos. Este, em específico, foi um trabalho realizado em conjunto com a organização do parque, em que o paisagismo e a poda são de responsabilidade dos arquitetos, e o parque se encarrega de regar o jardim e fazer a limpeza diária. Daqui a seis meses, o projeto será transferido para o Sul do Chile, em um novo recinto, tornando-se o único YAP chileno a ser desmontado e remontado em um lugar diferente.

POR: GIOVANNA GHELLER FOTOS: NICOLÁS SAIEH