Casa de praia com fundos para lago abre mão de muros e se organiza em volumes que criam balanços estruturais e ambientes adaptáveis

Ao adquirir o lote de 483,53 m² no condomínio Enseada, em Xangri-lá, município do litoral gaúcho situado a de 130 km de Porto Alegre, o jovem casal de proprietários tinha em mente a construção de uma casa funcional, prática, com espaços amplos e integrados, onde pudesse reunir familiares e amigos nos fins de semana. De acordo com Paula Otto, sócia do escritório Arquitetura Nacional, de Porto Alegre, encarregado da elaboração do projeto, a primeira ideia sugerida pelos arquitetos foi a de abrir a casa o máximo possível para a paisagem e para o lago que corta o fundo do terreno. “A ausência de muros, uma vez que o lote faz parte de um condomínio fechado, facilitou a execução dessa ideia”, adianta a arquiteta.

Aceita a proposta inicial, os arquitetos desenvolveram o projeto da casa com o acesso principal voltado para a face Norte, de frente para a rua, mas aberta ao máximo para o fundo do lote, na face Sul, de maneira a privilegiar a visualização do lago. A composição básica projetou dois volumes principais de materiais distintos: o térreo, estruturado em aço com fechamentos em vidro protegido por brises de madeira, e o superior, de concreto estrutural.

Implantados de forma deslocada, os volumes criaram dois grandes balanços estruturais, sob os quais foram abrigados os espaços abertos e cobertos da área social. Os volumes se tocam o mínimo possível, para que o superior pareça apenas pairar sobre o térreo. As zonas de balanço cobertas foram ocupadas pela garagem e pelo ambiente de estar, voltado para os fundos do terreno. Quanto à volumetria, os arquitetos optaram por materiais puros e de poucas interferências, como madeira, vidro e concreto.

Com brises de madeira, que propicia uniformidade, o térreo reúne os espaços, totalmente integrados, de estar, jantar e cozinha e, ainda, uma suíte e áreas de lavanderia e despensa. Quando as esquadrias desse espaço estão abertas, a separação entre interior e exterior não fica muito clara. O vão principal da esquadria possui cinco trilhos e, quando as folhas correm e se acumulam em apenas um ponto, proporcionam grandes vãos abertos para o jardim e para a varanda coberta, diretamente conectada ao estar. A piscina, com 10 m de comprimento por 2 de largura, foi projetada no fundo do lote, ocupando toda sua extensão Sul, em posição paralela ao lago.

No pavimento superior, a uniformidade volumétrica é proporcionada pelo concreto estrutural. As esquadrias das suítes foram protegidas por brises de mármore que proporcionam uniformidade ao volume, fortalecendo o conceito de “bloco”, e ainda aumentam a privacidade dos quartos. As duas suítes principais estão voltadas para o grande terraço criado pela cobertura do bloco térreo. Para a melhor visualização do entorno, os quartos têm suas aberturas voltadas para as direções Norte e Leste. A suíte principal foi dotada de uma segunda abertura, voltada especificamente para o lago, ao Sul. A fachada Oeste do bloco superior foi mantida cega como forma de controlar a incidência solar. A conexão entre os dois volumes é a escada, que tem suas laterais externas totalmente revestidas por vegetação.

Na construção da casa, optou-se pelo uso de estrutura mista, de aço e concreto. No grande ambiente do térreo, com generosas aberturas envidraçadas, além de colunas pontuais de concreto, foram utilizadas três colunas de aço para proporcionar mais leveza e o aspecto de uma grande varanda.

A estrutura recebeu reforço especial de um pilar de concreto em toda a largura da área da escada, que segura o balanço do volume superior. Esquadrias de alumínio foram utilizadas nas aberturas de vidro por trás dos brises de madeira. Com vistas à uniformidade visual do ambiente – e para facilitar a manutenção -, o piso do espaço integrado do térreo foi revestido de mármore polido branco calacatta. A varanda externa recebeu piso de mármore travertino romano bruto, e as áreas de circulação de carro e jardim, pedras portuguesas. Nos quartos, a opção foi o parquet, por oferecer mais conforto. Quanto às cores, o branco, o preto e a madeira predominam e permeiam toda a casa, em uma linha minimalista. Um grande painel de madeira reveste toda a lateral da escada, sugerindo a transição entre a área do térreo, mais social e branca, e o pavimento superior, de uso privado e onde a madeira predomina.

Com pouco tempo para a conclusão da obra, já que o projeto e a construção foram entregues em menos de um ano, os arquitetos avaliam que o uso da ferramenta BIM foi fundamental para o cumprimento dos prazos, pois facilitou a metodologia de trabalho do escritório. Segundo Paula Otto, após a conceitualização do partido, foi feito um detalhamento preliminar, em que todos os materiais e fornecedores foram definidos e todas as possíveis interferências analisadas a fundo. Assim, quando o projeto executivo foi gerado, já não havia mudanças significativas que pudessem comprometer o cronograma inicial. A arquiteta explica que a ferramenta propicia a otimização do tempo dos profissionais, permitindo que eles se dediquem “mais ao projeto e menos ao extensivo trabalho de graficação”. Outra vantagem citada pela arquiteta é que o BIM facilita também a compatibilização da arquitetura com os projetos complementares. Como os engenheiros utilizam a mesma ferramenta, os desenhos puderam ser facilmente sobrepostos para verificação do projeto como um todo.

BETWEEN THE OCEAN AND THE LAKE
On acquiring the 483.53 m² Enseada Condominium lot, in Xangri-la, a municipality on the Rio Grande do Sul seaboard, the couple of young owners had a functional house in mind to gather family members and friends. According to Paula Otto, a partner at the Arquitetura Nacional firm, the first idea suggested by the architects was to open the house as much as possible, towards the scenery and towards the lake that cuts off the back of the grounds. The main access faces north towards the street, but the house is opened as much as possible towards the back of the lot, facing south, in a way that privileges the view of the lake. There are two main volumes of distinct materials- a ground floor, structured in steel, with glass closures protected by wooden brises, and the top floor, in structural concrete. Set in a displaced manner, the volumes create two large overhanging structures. The volumes barely touch, insomuch that the top volume seems to only hover above the ground. The ground floor is joined, inasmuch that the living room, dining room and kitchen and, even, the suite, laundry and pantry areas are integrated. The ten-meter long by two-meter wide swimming pool lies parallel to the lake. On the top floor, the two main suites face out onto the large terrace created by the roof of the ground floor block. The architects assess that the use of the BIM tool was fundamental in meeting deadlines. When the executive project was generated, there were not any significant changes that could have compromised the initial timetable.

POR ÉRIDE MOURA FOTOS MARCELO DONADUSSI