Neocon 2016: flexibilidade e pontos de privacidade em projetos open space

O design e o futuro dos escritórios pelo mundo é debatido, visto e fotografado primeiro na Neocon, feira anual de interiores corporativos em Chicago, nos Estados Unidos, que este ano aconteceu de 13 a 15 de junho. Aqui se reúnem as principais marcas de mobiliário, pisos, forros e tecidos que ditam o que será utilizado no próximo ano. E ninguém quer ficar de fora: este ano foram 50 mil visitas nos três dias de feira, deixando os corredores do gigante Merchandise Mart e seus 372 mil m² lotados de profissionais de todo o mundo.

O FUTURO DAS ESTAÇÕES DE TRABALHO
Flexibilidade e o retorno ao fazer artesanal foram as tendências mais fortes nos principais estandes. As estações de trabalho Renew Link 1, da Herman Miller, por exemplo, – empresa que possui profissionais especializados na pesquisa sobre as necessidades em um escritório para prever o futuro do espaço de trabalho – adaptam-se à altura do usuário ou à vontade que o usuário tem de trabalhar em pé ou sentado, mesmo quando as estações fazem parte de baias.

FLEXIBILIDADE PARA A PRIVACIDADE
A consagração do open space é visível: é preciso reunir mais os funcionários em ambientes colaborativos. Mas, ao mesmo tempo, tal decisão traz a consequente necessidade de criar nichos ou espaços mais reservados, para horas de concentração, privacidade ou de pequenas reuniões. A Vitra e a Haworth resolveram o problema com duas soluções flexíveis.

Divulgação: Herman Miller

Divulgação: Vitra

Divulgação: Vitra

O Hack 2 , lançamento da Vitra, é um espaço dobrável que se abre em diferentes funções e clama pela flexibilidade de uso e de transporte: no showroom, funcionava como nicho com sofá, como estação de trabalho ou como pequena cafeteria – tudo dependia, basicamente, da altura em que a mesa estava posicionada e dos acessórios selecionados. Facilmente dobrável, o sistema pode ser transportado a outros lugares. O desenho de Konstantin Grcic buscou levar um lado industrial ao ambiente de trabalho, ao mesmo tempo em que prioriza a individualização do espaço: cada pessoa que senta na estação pode ajustar o tamanho da mesa para suas necessidades. “Hack é esse tipo de produto rústico industrial que pede aos usuários que façam sua própria peça”, diz o designer, unindo os lados industrial com o artesanal.

Divulgação: Haworth

Divulgação: Haworth

Enquanto isso, o sistema Openest Plume 3, desenhado por Patricia Urquiola para a Haworth, garante a privacidade de certas atividades dentro do escritório: as divisórias acústicas organizam espaços protegidos para sofás de descanso, de pequenas reuniões ou de estações de trabalho que precisam de mais privacidade – e, com suas curvas e cores, funcionam como uma nova paisagem no espaço corporativo.

Divulgação: Knoll

Personalizar o ambiente de trabalho foi também o objetivo da Knoll com a coleção Rockwell Unscripted 4, que inclui de equipamentos de armazenamento e acessórios a divisórias e quadros de reunião (que podem também funcionar como divisores de áreas no escritório tipo open space). A inspiração do designer David Rockwell foi criar espaços multiusos para empresas em que o trabalho em equipe é essencial.

DESIGN NO PISO
Ao transformar o piso em paisagem, os designers da Shaw Contract Group unem tecnologia com o parecer artesanal, trabalhando com cores e descolorações nos fios dos carpetes em placas, com fios de diferentes alturas formando relevos e com impressões high tech, como a do piso vinílico da coleção Modern Edit (LVT) 5, com traços metálicos – o modelo vinílico da coleção foi premiado com o Editor’s Choice (escolha do editor) na premiação Best of Neocon. A mesma coleção, mas no modelo carpete 6, levou o Silver Award na categoria Carpete Contínuo.

Foto: Luciano Bonini Divulgação: Shaw

Com placas de diferentes dimensões – incluindo uma coleção com placas hexagonais – a ideia dos designers é que o arquiteto possa desenhar também o projeto do piso, criando paisagens que conduzam a espaços distintos do escritório, ou auxiliando na delimitação de áreas em projetos open space.

POR BIANCA ANTUNES. que viajou a convite da Shaw Contract Group