Linguagem artística

Em 2014, quando foram procurados pela Publicis Brasil, um grupo francês de publicidade e marketing estabelecido no País há mais de 20 anos, os arquitetos do Athié Wohnrath foram desafiados a encontrar um espaço para que o cliente pudesse reunir, em um só lugar, todos os escritórios das várias empresas do grupo. A ideia era que o espaço atendesse às exigências da matriz com relação à eficiência energética, conforto e sustentabilidade. O local escolhido foi a torre norte do São Paulo Corporate Towers, na zona Sul da capital. O projeto, de autoria do paulistano Aflalo/Gasperini, foi construído conforme os requisitos do U.S. Green Building Council e é o primeiro do Brasil a receber a pré-certificação Leed Platinum 3.0 Core and Shell.

Depois do suporte para a escolha do local, os arquitetos foram convidados também para desenvolver o projeto de interiores, que hoje ocupa uma laje de 1.720 m² no 12o andar do prédio. Segundo Sérgio Athié, o desenvolvimento do projeto foi uma tarefa agradável e estimulante, e contou sempre com a participação do presidente da empresa. “Na verdade, a integração foi tão grande que trabalhamos quase em parceria, e podemos até dizer que o projeto foi feito a quatro mãos”, salienta.

Para a recepção, a ideia foi criar um ambiente museológico atemporal e impactante. Na entrada, um grande volume escultórico circular de estrutura metálica revestida de aço cortén – em referência aos trabalhos mais recentes do escultor norte-americano Richard Serra -, abriga a área da recepcionista e mais duas pequenas salas de reunião, de quatro e oito lugares, separadas por uma divisória também de aço cortén. Spots cênicos no piso ao redor do volume realçam sua estrutura inclinada, que, suspensa por delgadas hastes metálicas, parece flutuar no espaço. Adjacente, há ainda duas salas de reunião maiores, uma delas com 24 lugares. Nice, Lyon, Marseille e Toulouse, importantes cidades da França, foram os nomes escolhidos para destacar as salas, implantadas próximas aos elevadores, para evitar que os participantes circulem pelas áreas de trabalho. Para abrigar mais pessoas em eventualidades, as salas foram dotadas de bancos que acompanham as paredes laterais. Contíguo a esses espaços foi previsto ainda um bistrô.

Por orientação da Publicis, os ambientes de trabalho deveriam ser concebidos abertos, para propiciar a maior integração possível das equipes. As estações de serviço são livres de divisórias e integradas a espaços alternativos laterais, com poltronas para reuniões informais. As poucas divisórias, instaladas apenas em alguns ambientes onde é necessário preservar certa privacidade, são de vidros translúcidos.

Os materiais e cores dos pisos, sempre em placas para facilitar a manutenção do cabeamento, variam de acordo com o tipo de uso dos ambientes. Nas áreas de maior movimento – recepção, passagem para as salas de reunião e sala de descompressão -, optou-se pelo piso vinílico na cor de concreto. Para delimitar as áreas de trabalho e circulação, foram empregados carpetes em duas diferentes texturas, na cor cinza. No bistrô, o piso é vinílico madeirado, e nas salas de reunião foi especificado carpete listrado com uma variação de tons que vai do preto ao cinza. A área de entrada dos escritórios da diretoria recebeu carpete vermelho.

Os tetos mereceram atenção especial da arquitetura, que diferenciou áreas da recepção e de descompressão. Nas áreas de trabalho, o destaque vai para os recortes e rebaixos de várias alturas, nos tons branco e vermelho da marca. Na luminotécnica, foi utilizado um mix de luminárias led, fluorescentes e spots cênicos no piso e no teto.

ARTISTIC LANGUAGE
To unite the offices of the various companies of the group in São Paulo under one roof, the Publicis Brasil Group, a French advertising and marketing company established 20 years ago in the city, invited Athié Wohnrath to develop the interior office design project. For the reception, the idea was to create a timeless impacting environment. At the entrance, a large sculptural volume of circular design and metal framework lined with corten steel, shelters the receptionist area and another two small meeting rooms. Scenic spots on the floor around the volume enhance its tilted structure, which, suspended by thin metal rods, appears to be floating. Adjacent, there is two larger meeting rooms – one with seating for 24. By orientation from Publicis, the work environments were to be open conceptions, without interferences, to afford greater staff integration. The work stations are free of dividers and integrated to alternative side spaces, with armchairs for informal meetings. The few dividers, installed in only a few environments where it is necessary to preserve certain privacy, are translucent glass panes. The ever square flooring varies in accord with how the environments are used: a range of vinyl flooring to carpet flooring was specified in different tons and textures. In the work areas, the highlight is cast on the reliefs and breaks at various heights in white and red tons.

POR ÉRIDE MOURA FOTOS JOÃO PREGNOLATO