Notícias do mundo da arquitetura

Biselli e Katchborian projeta complexo habitacional e cultural em terreno da antiga rodoviária de São Paulo

Fotos divulgação: Biselli Katchborian Arquitetos
1

Um corredor cultural, 1.200 moradias (90% delas para habitação de interesse social), creche para 200 crianças, 5 mil m² de comércio no térreo dos edifícios e novos espaços verdes e públicos serão construídos em dois terrenos na região da Luz, Centro de São Paulo. O projeto 1 é do escritório Biselli e Katchborian, contratado após concurso fechado organizado pela Canopus, construtora mineira que venceu, em 2015, a concorrência por um dos quatro lotes da Parceria Público-Privada (PPP) da Habitação, iniciativa do Governo do Estado de São Paulo.

Fotos divulgação: Biselli Katchborian Arquitetos
1

O terreno maior, de 18 mil m², corresponde ao da antiga rodoviária que funcionou ali de 1961 a 1982, em frente à praça Julio Prestes. De 1988 até 2009, quando o edifício foi demolido, abrigou um shopping popular. A demolição, na época, foi pensada para receber o Teatro da Dança/Complexo Cultural Luz, que em 2008 ganhou projeto dos suíços Herzog & de Meuron, anulado em 2015. O governo, então, mudou o foco do terreno: a partir de março de 2016, o espaço passou a ser oficialmente da Secretaria da Cultura para a Secretaria da Habitação. O segundo terreno fica na mesma área, também de frente à praça Julio Prestes.

O projeto recorta a grande quadra e abre frentes de mobilidade para o pedestre, com os térreos dos edifícios sendo ocupados por comércio, com fachadas ativas. O novo complexo irá abrigar também o edifício da Escola de Música Tom Jobim.

Agora o escritório irá começar o detalhamento de projeto e apresentá- lo para aprovação da prefeitura e do Condephaat, que deve analisar principalmente a presença urbana do conjunto e a relação com o edifício da estação Julio Prestes.

O secretário da habitação prevê que esses trâmites demorem de quatro a cinco meses, e que a construção comece ainda em 2016. A previsão é de que a entrega das unidades seja feita de 18 a 24 meses após o início das obras.

Angelo Bucci é selecionado para a mostra internacional da Bienal de Veneza 2016

O escritório SPBR Arquitetos, comandado por Angelo Bucci, foi o único brasileiro escolhido por Alejandro Aravena para participar da Bienal de Veneza 2016 na Mostra Internacional. O projeto do escritório que será apresentado é o do novo Museu de Arte Moderna (MAM) 2, na cidade de São Paulo. A lista dos escolhidos, que tem mais 87 nomes, foi divulgada no fim de fevereiro.

Foto: Nelson Kon/Foto montagem: Ciro Miguel
2

A Bienal de Veneza 2016 também contará com nomes como Eduardo Souto de Moura, Tadao Ando, Peter Zumthor e Renzo Piano. Intitulada Reporting from the front, a mostra ocorrerá nos dias 28 de maio a 27 de novembro, e visa a criar novas expectativas sobre temas globais, como criminalidade, trânsito, desperdício, poluição e imigração.

O Brasil também será representado no pavilhão brasileiro, cuja exposição tem curadoria de Washington Fajardo.

23 Sul vence concurso para requalificar área em São Miguel Paulista, em São Paulo

O escritório paulistano de arquitetura 23 Sul venceu uma concorrência fechada para o projeto de requalificação urbana e de segurança viária da área 40 3 de São Miguel Paulista, na zona Leste de São Paulo. O projeto cria um sistema para a distribuição de ações pontuais das obras civis e de sinalização. O concurso foi organizado em janeiro de 2016 pela Bloomberg Iniciative for Global Road Safety (BIGRS), que estabeleceu parceria com a Prefeitura de São Paulo.

De acordo com Luiz Florence, sócio do 23 Sul e coordenador do projeto, o maior desafio foi alinhar as vocações local e metropolitana da área em análise – a de ser uma centralidade de comércio e de equipamentos públicos e a de abrigar a avenida Marechal Tito, importante corredor que interliga a zona Leste ao Centro da cidade. “O projeto tem o compromisso de adequar a região como uma área de segurança para os pedestres, ciclistas e condutores sem comprometer o transporte metropolitano”, diz.

Divulgação: 23 Sul
3

 

As propostas foram analisadas por um grupo de técnicos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), da São Paulo Urbanismo e da Subprefeitura de São Miguel Paulista, junto com representantes da WRI Brasil Cidades Sustentáveis, Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), National Association of City Transportation Officials (Nacto) e Bloomberg Iniciative for Global Road Safety (BIGRS).

Ficou em segundo lugar o projeto dos escritórios Figueiroa.arq, Boldarini Arquitetura e Urbanismo e Estúdio Módulo, seguido por TC Urbes na terceira colocação e Shundi Iwamizu Arquitetos Associados (SIAA) e Helena Ayoub na quarta posição. Participaram ainda Biselli Katchborian Arquitetos, Brazhuman Corp Engenharia e Consultoria, ECR Engenharia e Hereñú + Ferroni.

Divulgado projeto do BIG para o pavilhão temporário da Galeria Serpentine

O escritório do arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels, o BIG, divulgou sua proposta para o pavilhão temporário de 2016 4 da Galeria Serpentine, em Londres. O projeto aposta em uma parede descompactada, formada por blocos de fibra de vidro, que cria um espaço tridimensional.

Segundo o BIG, a ideia foi incorporar aspectos frequentemente tidos como opostos. Fizeram, por isso, uma estrutura que tem um formato livre e, ao mesmo tempo, rigoroso; que é modular e escultural; transparente e opaca; e em formato de caixa e de bolha.

A galeria deve abrigar cafés durante o dia e um fórum de aprendizado, debate e entretenimento pela noite. Neste ano, a exposição acontecerá de 22 de junho a 18 de outubro.

IAB apresenta marca oficial do Congresso UIA 2020

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) divulgou a marca oficial do 27º Congresso Mundial da União Internacional dos Arquitetos (UIA) – UIA 2020, que vai acontecer no Rio de Janeiro. O vencedor foi o símbolo 5 proposto pelo designer Glaucio Campelo, do escritório Unidesign, do Rio de Janeiro, que foi escolhido dentre outros 48 participantes.

Campelo trabalhou em parceria com a designer e professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Suzana Valadares Fonseca, junto com a colaboração dos estudantes Luiza Fialho e Antonio Duarte, da mesma universidade.

Os trabalhos de Maria Cau Levy, do Goma Oficina (SP), e Victor Buck, do Dito Criativo Design (SP), ficaram em segundo e terceiro lugares.

Com o tema Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21, o congresso é uma realização da UIA com organização do IAB que acontece na capital carioca em julho de 2020. É a primeira vez que o evento será realizado no Brasil.

Primeiro projeto de Kengo Kuma no Brasil tem técnicas tradicionais unidas à nova tecnologia

É o hinoki, cipreste nativo do centro do Japão, que dará as boas-vindas aos visitantes do edifício número 52 da avenida Paulista a partir do primeiro semestre de 2017. A aplicação do material na fachada foi a maneira com que Kengo Kuma decidiu recepcionar os brasileiros e outros visitantes no Japan House 6 , espaço que deve mostrar o Japão contemporâneo e estreitar os laços com o Brasil. Artesãos e carpinteiros fizeram um mock up do sistema de hinokis para testar sua resistência, partindo de junções entre peças que, apesar de utilizarem um material tradicional, seguem uma tecnologia contemporânea e uma forma inovadora.

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) divulgou a marca oficial do 27º Congresso Mundial da União Internacional dos Arquitetos (UIA) – UIA 2020, que vai acontecer no Rio de Janeiro. O vencedor foi o símbolo 5 proposto pelo designer Glaucio Campelo, do escritório Unidesign, do Rio de Janeiro, que foi escolhido dentre outros 48 participantes.

Campelo trabalhou em parceria com a designer e professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Suzana Valadares Fonseca, junto com a colaboração dos estudantes Luiza Fialho e Antonio Duarte, da mesma universidade.

Os trabalhos de Maria Cau Levy, do Goma Oficina (SP), e Victor Buck, do Dito Criativo Design (SP), ficaram em segundo e terceiro lugares.

Com o tema Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21, o congresso é uma realização da UIA com organização do IAB que acontece na capital carioca em julho de 2020. É a primeira vez que o evento será realizado no Brasil.

Primeiro projeto de Kengo Kuma no Brasil tem técnicas tradicionais unidas à nova tecnologia

É o hinoki, cipreste nativo do centro do Japão, que dará as boas-vindas aos visitantes do edifício número 52 da avenida Paulista a partir do primeiro semestre de 2017. A aplicação do material na fachada foi a maneira com que Kengo Kuma decidiu recepcionar os brasileiros e outros visitantes no Japan House 6 , espaço que deve mostrar o Japão contemporâneo e estreitar os laços com o Brasil. Artesãos e carpinteiros fizeram um mock up do sistema de hinokis para testar sua resistência, partindo de junções entre peças que, apesar de utilizarem um material tradicional, seguem uma tecnologia contemporânea e uma forma inovadora.

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) divulgou a marca oficial do 27º Congresso Mundial da União Internacional dos Arquitetos (UIA) – UIA 2020, que vai acontecer no Rio de Janeiro. O vencedor foi o símbolo 5 proposto pelo designer Glaucio Campelo, do escritório Unidesign, do Rio de Janeiro, que foi escolhido dentre outros 48 participantes.

Campelo trabalhou em parceria com a designer e professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Suzana Valadares Fonseca, junto com a colaboração dos estudantes Luiza Fialho e Antonio Duarte, da mesma universidade.

Os trabalhos de Maria Cau Levy, do Goma Oficina (SP), e Victor Buck, do Dito Criativo Design (SP), ficaram em segundo e terceiro lugares.

Com o tema Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21, o congresso é uma realização da UIA com organização do IAB que acontece na capital carioca em julho de 2020. É a primeira vez que o evento será realizado no Brasil.

Primeiro projeto de Kengo Kuma no Brasil tem técnicas tradicionais unidas à nova tecnologia

É o hinoki, cipreste nativo do centro do Japão, que dará as boas-vindas aos visitantes do edifício número 52 da avenida Paulista a partir do primeiro semestre de 2017. A aplicação do material na fachada foi a maneira com que Kengo Kuma decidiu recepcionar os brasileiros e outros visitantes no Japan House 6 , espaço que deve mostrar o Japão contemporâneo e estreitar os laços com o Brasil. Artesãos e carpinteiros fizeram um mock up do sistema de hinokis para testar sua resistência, partindo de junções entre peças que, apesar de utilizarem um material tradicional, seguem uma tecnologia contemporânea e uma forma inovadora.

Fotos divulgação: Kengo Kuma
6
Fotos divulgação: Kengo Kuma
6

É com essa ideia do tradicional inovador, também, que os papéis washis serão utilizados nas fusumas – portas de correr presentes no primeiro andar que separam três salas para palestras e que permitem a flexibilidade de usos. “O abrir e o fechar como delimitação do espaço garante a flexibilidade, uma característica da arquitetura japonesa”, contou Kengo Kuma na apresentação do projeto em São Paulo, em fevereiro.

O jardim de pedras, na entrada do edifício, deve ser um espaço público, aberto à cidade, onde hoje é um estacionamento fechado.

A Japan House tem custo total de 30 milhões de dólares, com investimento total do governo japonês. Haverá três Japan House no mundo: em Londres, Los Angeles e São Paulo – a paulistana é a primeira a ser construída. O espaço abrigará um restaurante/cafeteria de gastronomia nipônica, biblioteca, ponto de informações turísticas e uma loja de artesanato e manufaturas japonesas.

A construtora responsável pelo projeto no Brasil é a Toda. O designer japonês e produtor-executivo Kenya Hara dará as diretrizes gerais para as Japan House de todo o mundo, e no Brasil o diretor de planejamento será o curador Marcello Dantas. As obras já começaram e a entrega está prevista para março de 2017.

Arquitetos de São Paulo são escolhidos para projetar Centro de Ensino Infantil em Brasília

Entre 84 propostas inscritas no concurso nacional de projetos de arquitetura e complementares para o Centro de Ensino Infantil (CEI), na região do Riacho Fundo II, em Brasília, o projeto 7 selecionado pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) foi o dos arquitetos paulistas Cinthia Verçosa Nobre, Christian de Almeida Nobre, Ingrid Schmidt Ori e Marlon Longo, com colaboração de Jonas Bernardi.

Divulgação: Codhab-DF
7

O edifício de dois pavimentos mescla ambientes abertos e fechados, e 17 pátios. De estrutura metálica modular com grande variação volumétrica, cria espaços sombreados e ensolarados, além de áreas verdes.

Em segundo lugar ficou a proposta dos paranaenses Bernardo Richter, Fernando Lacerda, Pedro Tavares, Helena Wenzel de Carvalho e Guilherme Schmitt, com colaboração de Priscila Vicentim, Guilherme Teixeira Araújo e Maria Seibel Reis. Já na terceira colocação foi premiada a equipe do Estúdio 41, também do Paraná.

Por fim, foram concedidas menções honrosas aos escritórios Arkiz e Hiperstudio; a Matias Vazquez, Taísa Festugato, Juliano Mezzomo, Greice Portal e Rodrigo Salvati; a Gustavo Cantuaria, Lucia Simaan, Daniel França, Tatiana Barreto e Lucas Rezende; a João Augusto, Alessio Gallizio, Ana Laterza e Thiago Barbosa; a Robson Canuto da Silva, Ana Luisa Rolim; Isabella Trindade; Rodrigo Ramos; Maria Eduarda de Sá Absalão; Rafaela Arcoverde; Mateus Gibson; e a Natália Barretto.

Quinze projetos brasileiros foram selecionados para 10ª Biau

A Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo (Biau) divulgou a lista dos participantes de sua 10ª edição. Dentre as 194 obras selecionadas para o evento, 15 são brasileiras. Participam ainda projetos da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Espanha, México, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

O Comitê de Seleção também designou dois candidatos por país para participar da fase internacional do Prêmio Ibero-americano de Arquitetura e Urbanismo. Severiano Porto e Eduardo de Almeida são os concorrentes brasileiros.

Os jurados internacionais de Panorama de Obra, Publicações e Teses de Doutorado se reunirão nos dias 1 e 2 de abril em Madri, na Espanha, e os resultados serão anunciados no mesmo mês. A Biau acontece entre os dias 4 e 8 de julho em São Paulo.

Rafael Salim
8
Lauro Rocha
9
Thais Antunes
10

Confira os selecionados brasileiros:
 Arena do Futuro 8 , RioProjetos 2016, no Rio de Janeiro (AU 163)
– Bloco Administrativo do Campus Avançado da UFC em Crateús, CE, de Rede Arquitetos
– Casa da Meia Encosta, de Denis Joelsons e Gabriela Baraúna Uchida
– Casa Vila Matilde, de Terra e Tuma Arquitetos Associados, em São Paulo (AU 259)
– Edifício Vila Mariana, de UNA Arquitetos, em São Paulo
– FL 4300, de Aflalo/Gasperini Arquitetos, em São Paulo (AU 238)
– Escola Jardim Marisa 9 , de SIAA e Helena Ayoub, em Campinas, SP (AU 253)
– Galeria Claudia Andujar, de Arquitetos Associados, em Inhotim, MG (AU 263)
– Minimod Catuçaba, de Mapa Arquitetos, em São Luiz do Paraitinga, SP
– Mirante do Gavião Amazon Lodge 10 , de Atelier O’Reilly em Novo Airão, AM (AU 248)
– Parque Sabesp Butantã, Cangaíba e Mooca, de Levisky Arquitetos Estratégia Urbana, em São Paulo (AU 265)
– Pavilhão Comunitário do Sertão do Córrego Grande, de César Floriano e Evandro Andrade, em Florianópolis, SC
– Residência na Serra das Cabras, de MMBB
– Reurbanização da Favela do Sapé, de Base 3 Arquitetos, em São Paulo (AU 234);
– Vertical Itaim, de mk27+ Carolina Castronejo, em São Paulo (AU 251).