DMDV Arquitetos elabora projeto corporativo para a Dentsu Aegis Network

DMDV Arquitetos elabora projeto corporativo para a Dentsu Aegis Network

A DMDV Arquitetos, com liderança dos arquitetos Renato Dalla Marta, André Dias Dantas e Bruno Vitorino, desenvolveram para as empresas Isobar, mcgarrybowen e iProspect do grupo Dentsu Aegis Network um projeto corporativo no edifício Box 298, localizado na Vila Madalena, em São Paulo.

O projeto teve como grande desafio o aproveitamento da planta irregular, com espaços de alturas variáveis, proporcionando o uso de mezaninos para salas privativas e nos ambientes com pé-direito duplo, áreas voltadas para o conceito open space.

Leia mais

Triptyque projeta edifício que será construído totalmente com madeira certificada

Triptyque projeta edifício que será construído totalmente com madeira certificada

A Vila Madalena, na zona Oeste de São Paulo, ganhará um prédio com 13 andares totalmente construído em madeira 100% certificada, com garantia de origem e trajetória. Trata-se do edifício da empresa florestal brasileira AMATA, projetado pelo escritório de arquitetura Triptyque.

O edifício será erguido em um terreno de 1.025 m² e terá área total de 4.700 m². Para a sua construção vão ser utilizados painéis de Cross Laminated Timber (CLT), um material desenvolvido com multicamadas de madeira maciça em duas direções diferentes, que facilita a implantação de estruturas grandes e altas.

Leia mais

Oficina 11.11 assina projeto inusitado de agência de publicidade

Oficina 11.11 assina projeto inusitado de agência de publicidade

Os arquitetos do escritório Oficina 11.11 tiveram bastante liberdade para criar o projeto da nova sede da agência de publicidade To.do. Eles conseguiram harmonizar o industrial, o clássico e o retrô em um edifício no bairro da Vila Madalena, em São Paulo. Em todo o espaço projetado é possível encontrar a mescla entre peças modernas com as de antiquários e obras de arte.

Leia mais

Terreno onde havia um sobrado passa a abrigar duas casas geminadas, estruturadas com passarelas cobertas e pátio central

Terreno onde havia um sobrado passa a abrigar duas casas geminadas, estruturadas com passarelas cobertas e pátio central

Um sobrado típico do bairro de Vila Madalena, em São Paulo, cedeu espaço para a construção de duas casas geminadas, em um projeto do escritório Zoom Urbanismo Arquitetura e Design. O desafio foi enfrentar a diminuta dimensão frontal do terreno, de pouco menos de 10 m, particularidade recorrente nos lotes paulistanos. Cada um dos sobrados construídos tem 165 m² de área e um programa de necessidades idêntico, para abrigar dois irmãos – daí a denominação Casas Gêmeas.

O partido adotado consiste na alternância entre áreas livres e corpos edificados, unidos por uma passarela coberta. Apesar de invólucros iguais, algumas demandas específicas dos proprietários se refletiram em pequenas diferenças em planta. Em uma das casas, há uma sala de estar ampla no térreo, espaço contínuo e único. Na outra, logo na entrada e ocupando uma parte do que seria a sala, está o consultório da proprietária, que é psicóloga. As discretas dimensões deste ambiente são compensadas pelo uso da porta de correr, integrando-o à sala e proporcionando melhor luminosidade.

Leia mais

UNA Arquitetos projeta Huma Klabin, edifício residencial de relação franca com a urbe, em São Paulo

UNA Arquitetos projeta Huma Klabin, edifício residencial de relação franca com a urbe, em São Paulo

Há mais de meio século, a relação entre a escola paulista de arquitetura e o mercado imobiliário paulistano é restrita a casos pontuais. A boa arquitetura teve seu momento áureo na construção de edifícios residenciais nos anos de 1950, estendendo-se um pouco para as décadas adjacentes, com muitos exemplares no bairro de Higienópolis. Porém, após 1969, quando foi concluído o edifício da FAUUSP na Cidade Universitária, a quantidade de torres de moradia construídas na malha urbana da capital paulista, que seguem os preceitos da geração intelectualmente fundada por João Vilanova Artigas, não é maior que os dedos nas duas mãos.

Há uma miríade de justificativas e versões que não cabe aqui analisar: políticas, ideológicas, econômicas, de posturas com relação às esferas pública e privada, de círculos de relações. Cabe sim perceber que a metrópole foi apinhada por edifícios sem interesse arquitetônico, carimbos repetidos aos milhares seguindo motivações exclusivamente imobiliárias e financeiras.

Leia mais