Guto Requena ganha CODA Awards com projeto do Pavilhão Dançante

Guto Requena ganha CODA Awards com projeto do Pavilhão Dançante

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb

O arquiteto e designer Guto Requena venceu o CODA Awards 2017, na categoria Hospitalidade, com o projeto do Pavilhão Dançante, projetado para a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Em maio, o projeto também ganhou o Prêmio Prix Versailles 2017 na categoria Especial Exterior.

Desenvolvido para ser um local de eventos como festas, danças, DJs e apresentações, o edifício foi instalado no Parque Olímpico da Barra. Sua fachada contava com 500 espelhos que se movimentavam de acordo com as batidas e os movimentos captados pelos sensores internos na pista de dança.

Leia mais

José e Francisco Nasser Hissa: sempre contemporâneos

POR RICARDO PAIVA
Arquiteto e urbanista pela UFC (1997), com mestrado (2005) e doutorado (2011) pela FAU-USP. É professor-adjunto do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFC e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design da UFC – PPGAU+D-UFC. Coordena o Laboratório de Crítica em Arquitetura, Urbanismo e Urbanização (LoCAU) do DAU-UFC. É pesquisador do Laboratório de Comércio e Cidade (Labcom) da FAU-USP

BEATRIZ DIÓGENES
Arquiteta e urbanista pela UFC (1978), com mestrado (2005) e doutorado (2012) pela FAU-USP. É professora-adjunta do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFC e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design da UFC – PPGAU+D-UFC. É pesquisadora do Laboratório de Crítica em Arquitetura, Urbanismo e Urbanização (LoCAU)


Leia mais

Notícias do mundo da arquitetura

Aflalo/Gasperini entrega projetos alinhados com o plano diretor de São Paulo

Premiado no início deste ano pela ONU Habitat, o plano diretor de São Paulo, aprovado em 2014, tem inspirado bons exemplos. Alinhado com suas diretrizes, o escritório Aflalo/Gasperini entrega em agosto o projeto de uso misto Urbanity  2  . Sem muros ou grades, o empreendimento é a combinação de uma torre corporativa, com maior presença junto à Marginal Pinheiros, e uma torre residencial mais afastada, a 50 metros de distância. Detalhe: nessa área de recuo, os arquitetos projetaram uma praça de 45 m x 45 m, aberta à comunidade. Nas torres, foram usadas placas que destacam sua verticalidade. Na cobertura do edifício corporativo, essas placas se sobressaem formando um pórtico que enquadra a pele de vidro. No térreo do conjunto, a equipe trabalhou com pilotis; e os halls, a uma altura de 10 m, dão a sensação de imponência.

Leia mais