Vidro, pedra e madeira se mesclam em residência de Sidney Quintela localizada em vila litorânea próxima da Grande Lisboa, em Portugal

Vidro, pedra e madeira se mesclam em residência de Sidney Quintela localizada em vila litorânea próxima da Grande Lisboa, em Portugal

As generosas esquadrias desta residência em um condomínio fechado na Praia da Torre, em Oeiras, Portugal, simbolizam e concretizam o desejo da jovem proprietária de estabelecer uma relação de transparência com a poética paisagem do entorno. Autor do projeto, o arquiteto baiano Sidney Quintela, do SQ+ Arquitetos Associados, que há 12 anos possui uma filial de seu escritório em Lisboa, sublinha que, sobretudo em lugares próximos do mar, é cada vez maior o interesse do público português por uma arquitetura com sotaque brasileiro, que expressa mais abertura e liberdade se comparada ao jeito de viver tipicamente europeu.

Os grandes janelões só não estão presentes em uma das faces da casa, cuja volumetria se apresenta no formato de um L abraçando um deque, onde repousa uma piscina de borda infinita. Mas nem só de vidro é composta a fachada. Seus vários planos mesclam pintura comum sobre alvenaria na cor fendi, painéis formados por réguas de ipê de diferentes colorações e dois tipos de tradicionais pedras portuguesas: mármore estremoz, variedade rajada que recebeu tratamento com jatos de areia grossa para perder a padronagem e exibir a superfície inteiramente branca; e mármore ruivina preto com acabamento flameado, que garante ao material um aspecto bastante rugoso.

Leia mais

Angelo Bucci em Portugal: projeto do SPBR no Algarve une moradia com comércio no térreo

Angelo Bucci em Portugal: projeto do SPBR no Algarve une moradia com comércio no térreo

Silves é uma pequena cidade com cerca de 35 mil habitantes e tem seu maior atrativo no turismo. Seu castelo, construído no século 13, é um dos melhores exemplares da arquitetura militar islâmica no país. O grupo de incorporadores do Casa Granturismo resolveu investir nessa pacata cidade portuguesa, urbanizando uma gleba de 39 mil m², construindo habitação e comércio na margem oeste da cidade. A ideia era ousada: chamar 22 equipes de arquitetura, de diversos países, para que cada uma desenvolvesse um projeto. O único escritório brasileiro convidado foi o SPBR, do arquiteto Angelo Bucci. “Na época, eu estava dando aulas em Harvard, era 2008. E o Ricardo Camacho, que é um dos incorporadores, veio conversar comigo e me propôs o projeto de um edifício misto, com comércio embaixo e habitação em cima. Eu topei”, conta Angelo. “Fomos o último escritório a ser chamado para fazer parte desse empreendimento.” Leia mais

Editorial: reenergizar a cidade

Dois escritórios brasileiros se aventuram em outras terras nesta edição. Angelo Bucci (SPBR) projeta um edifício de uso misto em Silves, região turística de Portugal. Longilíneo, marca discretamente a paisagem com suas reentrâncias, balanços e recortes nas fachadas que não revelam o pé-direito nos interiores. Enquanto isso, na América Latina, os arquitetos do porto-alegrense Studio Paralelo se uniram ao montevideano Maam para formar o coletivo binacional Mapa – juntos, projetaram uma residência pré-fabricada no interior do Uruguai. No terreno, foram necessários apenas dois dias para a montagem dos sistemas, que foram detalhados na seção Aulas de projeto desta edição. Leia mais