No Teatro Nacional de Taichung, a mais recente obra-prima de Toyo Ito, o espetáculo começa muito antes de o visitante deparar com o palco. Repleto de galerias e escadas hipnotizantes, o percurso revela, a cada curva, uma experiência sensorial diferente

No Teatro Nacional de Taichung, a mais recente obra-prima de Toyo Ito, o espetáculo começa muito antes de o visitante deparar com o palco. Repleto de galerias e escadas hipnotizantes, o percurso revela, a cada curva, uma experiência sensorial diferente

Ondas, trapézios, arcos, bolhas: não há forma que não combine com o traço fluido de Toyo Ito, especialista em criar prédios que rompem com estereótipos e expressam desenhos inéditos. Mas esse arquiteto japonês, nascido na Coreia do Sul, está longe de ser um formalista: segundo ele, muitas obras ficam mais interessantes quando são vistas vazias – as suas, no entanto, são pensadas justamente para parecer mais bonitas quando ocupadas pelas pessoas. É o caso do recém-inaugurado Teatro Nacional de Taichung, monumental labirinto de galerias curvas que se tornou o principal cartão-postal da cidade homônima, no centro-oeste de Taiwan.

Vencedor de um concurso realizado pela prefeitura do município em 2005, o projeto de Ito foi inspirado em uma proposta que ele havia esboçado um ano antes, para o Fórum de Música de Ghent, na Bélgica: um emaranhado de túneis, lembrando cavernas, fortemente influenciado pela textura dessa cidade medieval. O que os belgas recusaram, os taiwaneses resolveram abraçar, apostando que estavam diante de uma ideia visionária. Só não se sabe se, àquela altura, eles podiam imaginar todas as dificuldades que a obra enfrentaria durante os 11 anos que levou para ficar pronta – apenas para encontrar uma construtora foram quase dois anos. “Ninguém queria fazer!”, diverte-se Ito, que, nesse meio tempo, até levou para casa um Prêmio Pritzker de Arquitetura, em 2013.

Leia mais