Eleições definem o destino da profissão. Veja entrevista com Haroldo Pinheiro, presidente do CAU/BR

Eleições definem o destino da profissão. Veja entrevista com Haroldo Pinheiro, presidente do CAU/BR

No dia 31 de outubro, cerca de 150 mil arquitetos e urbanistas vão escolher os novos profissionais para compor o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal (CAU/UF), para o mandato 2018-2020. Na entrevista a seguir, o arquiteto e urbanista Haroldo Pinheiro, que cumpre o segundo mandato na presidência do CAU/BR, fala das expectativas para essas eleições, dos desafios dos próximos gestores e do legado que ele deixará.

Leia mais

Arquiteto, designer, cenógrafo, Felippe Crescenti é o retrato perfeito da formação interdisciplinar da FAUUSP e há quase 40 anos carrega consigo ensinamentos de mestres como Eduardo Almeida

Roupa suja se lava em casa. Numa conversa descontraída, Felippe Crescenti falou sobre o legado da formação ímpar da FAU-USP, marcada, segundo ele, por uma ‘superficialidade típica do modelo interdisciplinar’. O arquiteto que acumula premiações nos mais variados segmentos do trabalho criativo – cenógrafo teatral e cinematográfico, expositor, designer e arquiteto – assina projetos icônicos como a megaloja da Tok&Stok na Marginal PInheiros, em São Paulo, e o Bar Astor, na boêmia Vila Madalena, também na capital paulista.

‘Generoso na composição de seus cenários efêmeros para o teatro, as festas e os eventos – em que explora com ousadia os brilhos, os contrastes, as cores e a diversidade de materiais -, o arquiteto Felippe Crescenti vai se distanciar tanto da exuberância e da dramaticidade dos recursos cênicos quanto das sisudas lições da sua escola brutalista de origem’ (Cecília Rodrigues Santos, ‘Exercícios de cenografia e projeto’, introdução do livro Felippe Crescenti, publicado em 2015).

Leia mais

Com experiência de quatro décadas na readequação da arquitetura colonial, Renato Tavolaro mostra como intervir — por meio de releitura do patrimônio histórico ou inserção de elementos contemporâneos — de forma coerente

Com experiência de quatro décadas na readequação da arquitetura colonial, Renato Tavolaro mostra como intervir — por meio de releitura do patrimônio histórico ou inserção de elementos contemporâneos — de forma coerente

Formado pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie no fim a década de 1970, desde menino Renato Tavolaro se encantou pela estética sui generis do colonial português no Brasil. “Lembro-me, ainda menino, como me espantava com a grandiosidade da arquitetura durante visitas à fazenda com o meu pai”, conta. A carreira iniciada como desenhista, ainda durante a graduação, encontrou caminho na trajetória entre São Paulo e Paraty, celeiro de grande parte da produção de Tavolaro.

Reconhecido pelo estilo e traçado próprios, o arquiteto tem como marca a intervenção consciente, que com maestria vence os desafios da linha tênue da adaptação do colonial aos tempos modernos. O diálogo entre o velho e o novo, para Tavolaro, é primordial. Para isso, avalia com critério o limite da intervenção. A linguagem, a escolha dos materiais e o restauro fiel às origens são alguns dos elementos essenciais à sua arquitetura. Trabalha com a oposição – inserindo elementos completamente “estranhos” à estética original – e a recuperação fiel da planta original. “Assim, deixo claro ao observador o que é intervenção e o que é original”, explica.

Leia mais

Polêmico e independente, o arquiteto Mike Reynolds, criador do conceito Earthship, é conhecido pelos métodos construtivos nada convencionais que reutilizam materiais de descarte

Polêmico e independente, o arquiteto Mike Reynolds, criador do conceito Earthship, é conhecido pelos métodos construtivos nada convencionais que reutilizam materiais de descarte

O polêmico e independente arquiteto americano Mike Reynolds, criador do conceito Earthship de arquitetura sustentável, com o uso responsável dos recursos naturais e o desenvolvimento de relações humanas sustentáveis, esteve no Brasil nos dias 23 e 24 de março. Reynolds ministrou palestras em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, cidade onde desenvolverá a primeira Vila Sustentável Earthship. A vila engloba três planejamentos diferentes, que incluem um local de moradia para 54 pessoas da luta antimanicomial, uma escola de ensino fundamental para atender as 400 famílias do Assentamento Mário Lago e pelo menos outros quatro projetos da iniciativa privada.

As estruturas arquitetônicas desenvolvidas por Reynolds levam itens que normalmente são descartados, como latas de alumínio, garrafas plásticas e pneus usados. Além das edificações serem construídas de maneira radicalmente “verdes”, os projetos preveem que a energia elétrica e o fornecimento de água se mantenham em funcionamento independentemente do fornecimento externo. As casas aproveitam a energia solar e eólica, captam a água da chuva e da neve derretida. Há sistemas que utilizam uma horta com células botânicas para filtrar a água de uso cotidiano, além de produzir alimentos. Leia mais