Com uma variedade cada vez maior, os pisos para espaços corporativos precisam atender a algumas exigências, a fim de simplificar a manutenção e evitar problemas de acústica e desgaste

Com uma variedade cada vez maior, os pisos para espaços corporativos precisam atender a algumas exigências, a fim de simplificar a manutenção e evitar problemas de acústica e desgaste

Aspectos como intensidade de circulação de pessoas, rotina de limpeza e perfil da empresa não são os únicos fatores essenciais para acertar na escolha do piso do escritório. ‘Em obras corporativas é comum ter uma parte da infraestrutura de dados, elétrica e hidráulica passando pelo piso. Por isso, dependendo do material escolhido, você acaba inviabilizando a manutenção e o acesso a essas infraestruturas’, alerta o arquiteto Bruno Moraes. Seguindo essa orientação, vale tomar a decisão certa no início do projeto, por causa dessas interferências, o que ajuda a definir como serão passadas as infraestruturas e onde serão as áreas molhadas, molháveis e secas.

Espaços corporativos requerem flexibilidade, já que a dinâmica de mudança da estrutura da empresa é constante, seja por crescimento, seja por diminuição do número de colaboradores ou mudanças estruturais. ‘Nesse caso, o piso escolhido deve levar em conta essa dinâmica’, comenta a arquiteta Marcia Sakima, da Ufficcio Arquitetura e Engenharia, que enumerou outros pontos importantes:

Leia mais

Estão abertas as inscrições para o novo Prêmio PINI, que neste ano reconhecerá inovações tecnológicas, melhores obras e cases da indústria da construção

Estão abertas as inscrições para o novo Prêmio PINI, que neste ano reconhecerá inovações tecnológicas, melhores obras e cases da indústria da construção

Criado em 1996 para destacar os melhores fornecedores da construção, o Prêmio PINI reconheceu ao longo de mais de duas décadas os principais fabricantes de mais de 30 segmentos da indústria. A pesquisa realizada anualmente junto aos assinantes a pagamento das revistas da PINI dá lugar este ano a um novo formato. Em vez de uma avaliação do tipo share of mind, o novo Prêmio PINI passa a reconhecer as inovações tecnológicas e os melhores cases da indústria. As categorias Melhores Obras e Iniciativa Setorial de Destaque, incluídas em algumas edições, voltam a figurar neste ano. A escolha dos vencedores será feita por uma banca de premiação composta de líderes das principais entidades setoriais da construção.

“O novo regulamento permitirá identificar as empresas que investem em inovação e no atendimento ao cliente”, explica Mário Sérgio Pini, relações-institucionais da PINI. “Vamos conhecer os cases e as iniciativas que estão contribuindo para a melhoria da qualidade, da produtividade e do fomento tecnológico da construção”, completa. O diretor lembra também a expectativa de premiar grandes obras nos segmentos residencial, corporativo, institucional e de infraestrutura.

Leia mais

Arquitetos e programadores compõem o DUS, responsável pela fabricação digital de fachada do Europe Building, em Amsterdã

Arquitetos e programadores compõem o DUS, responsável pela fabricação digital de fachada do Europe Building, em Amsterdã

As impressoras 3D e diversos setores da indústria – entre eles, a arquitetura, o design e a engenharia – vivem um início de namoro que promete ser longo e frutífero. A fabricação digital de produtos tem favorecido a liberdade dos profissionais de criação, assim como a utilização da tecnologia na modelagem de maquetes ajuda a identificar e solucionar erros de projetos que, de outro modo, seriam descobertos somente em estágios bem mais avançados da construção. Há também um campo bastante ambicioso, que diz respeito à impressão de casas e de outros tipos de edificações – em geral erguidos em algumas horas e extremamente baratos, se comparados às construções com métodos convencionais.

Leia mais