Arquitetos e urbanistas de Minas Gerais podem apresentar projetos ao Corpo de Bombeiros pela internet

Arquitetos e urbanistas de Minas Gerais podem apresentar projetos ao Corpo de Bombeiros pela internet

Os profissionais com registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) podem desde setembro apresentar digitalmente os projetos das edificações para receber o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) na região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O protocolo, a aprovação, a vistoria e a liberação da autorização podem ser pedidos por meio do Sistema de Informações do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico (Infoscip), implantado em 2012.

Leia mais

Pesquisa de preços: piso elevado com carpete

O projeto do arquiteto Bruno Moraes – publicado na seção Como Especificar da edição 280 (julho/2017) – ganhou um orçamento detalhado. Prevê a instalação de sistema de refrigeração no vão formado entre a estrutura do piso elevado e a laje do imóvel corporativo. No projeto, Moraes especificou cada uma das camadas do sistema. Veja o esquema abaixo e a cotação dos itens por estado.

Leia mais

Tecnologia

Pesquisa de preços: fachada com telas metálicas é destaque de projeto do Restaurante Authoral, do Bloco Arquitetos

A malha que preenche o requadramento metálico é a base perfeita para a trepadeira, que faz uma cortina natural sobre as fachadas

O ponto focal do projeto do Bloco Arquitetos, publicado na edição 277 da aU, são as telas metálicas que revestem as fachadas do Restaurante Authoral, em Brasília (DF). De aço galvanizado com cantoneiras de alumínio, formam uma malha que dá o tom ao imóvel. O mesmo material é usado no interior da casa, como uma espécie de forro.

A textura criada pelo encontro das tramas metálicas é responsável pelo efeito contemporâneo do salão

Tecnologia

Com uma variedade cada vez maior, os pisos para espaços corporativos precisam atender a algumas exigências, a fim de simplificar a manutenção e evitar problemas de acústica e desgaste

Confira as orientações de especialistas e veja um raio x com as soluções de quatro projetos bem pensados

Aspectos como intensidade de circulação de pessoas, rotina de limpeza e perfil da empresa não são os únicos fatores essenciais para acertar na escolha do piso do escritório. ‘Em obras corporativas é comum ter uma parte da infraestrutura de dados, elétrica e hidráulica passando pelo piso. Por isso, dependendo do material escolhido, você acaba inviabilizando a manutenção e o acesso a essas infraestruturas’, alerta o arquiteto Bruno Moraes. Seguindo essa orientação, vale tomar a decisão certa no início do projeto, por causa dessas interferências, o que ajuda a definir como serão passadas as infraestruturas e onde serão as áreas molhadas, molháveis e secas.

Espaços corporativos requerem flexibilidade, já que a dinâmica de mudança da estrutura da empresa é constante, seja por crescimento, seja por diminuição do número de colaboradores ou mudanças estruturais. ‘Nesse caso, o piso escolhido deve levar em conta essa dinâmica’, comenta a arquiteta Marcia Sakima, da Ufficcio Arquitetura e Engenharia, que enumerou outros pontos importantes:

Acústica: materiais com elevado coeficiente de absorção acústica, evitando reverberação de som no ambiente de trabalho.
Combate a incêndio: as opções de revestimento devem estar dentro das normas especificadas pelo Corpo de Bombeiros, que determinam os índices de resistência ao fogo, emissão de fumaça etc. Muitos condomínios exigem o laudo Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento (CMAR), obrigatório para a obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). Ele estabelece que condições devem ser atendidas pelos materiais de acabamento e de revestimento utilizado no imóvel, para que, no caso de sinistro de incêndio, esses produtos restrinjam a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça, atendendo ao previsto na legislação de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do estado de São Paulo.
Classificação de uso: as versões para espaços corporativos precisam suportar o alto tráfego (classificação 33) e ter capa de uso superior a 0,5 mm.
Manutenção: vale pensar na conservação e na limpeza descomplicadas do revestimento. É importante que a manutenção seja adequada para a frequência de limpeza do ambiente, de modo a não interferir na funcionalidade do espaço e na rotina dos funcionários. Escritórios mais dinâmicos podem se beneficiar de pisos de limpeza fácil e rápida, como o porcenalato e o vinílico, por exemplo.

 

Tecnologia

Estão abertas as inscrições para o novo Prêmio PINI, que neste ano reconhecerá inovações tecnológicas, melhores obras e cases da indústria da construção

Criado em 1996 para destacar os melhores fornecedores da construção, o Prêmio PINI reconheceu ao longo de mais de duas décadas os principais fabricantes de mais de 30 segmentos da indústria. A pesquisa realizada anualmente junto aos assinantes a pagamento das revistas da PINI dá lugar este ano a um novo formato. Em vez de uma avaliação do tipo share of mind, o novo Prêmio PINI passa a reconhecer as inovações tecnológicas e os melhores cases da indústria. As categorias Melhores Obras e Iniciativa Setorial de Destaque, incluídas em algumas edições, voltam a figurar neste ano. A escolha dos vencedores será feita por uma banca de premiação composta de líderes das principais entidades setoriais da construção.

“O novo regulamento permitirá identificar as empresas que investem em inovação e no atendimento ao cliente”, explica Mário Sérgio Pini, relações-institucionais da PINI. “Vamos conhecer os cases e as iniciativas que estão contribuindo para a melhoria da qualidade, da produtividade e do fomento tecnológico da construção”, completa. O diretor lembra também a expectativa de premiar grandes obras nos segmentos residencial, corporativo, institucional e de infraestrutura.

Inscrições e prazos
As inscrições para todas as categorias devem ser feitas pelo site www.premio.pini.com.br. Após fazer o credenciamento, o concorrente será dirigido para uma área de upload. A defesa do produto, do case, da obra ou da iniciativa deverá ser feita em documento em formato PDF com até 10 MB. A empresa precisa prestar atenção à data de lançamento do produto, à data do case ou da entrega da obra. Cada categoria possui um período máximo de cobertura para ter a inscrição validada. As obras, por exemplo, devem ter sido concluídas até no máximo 18 meses do lançamento do prêmio. Obras já premiadas em edições anteriores não poderão participar. Caso decida ser necessário, a banca de premiação pedirá mais esclarecimentos e informações sobre o case, produto ou obra.

Para avaliação dos produtos e ações inscritos, a banca de premiação levará em consideração aspectos como sustentabilidade, produtividade, grau de inovação e impactos em prol do setor. A quantidade de vencedores e menções honrosas, embora definidos os números máximos de premiados para todas as categorias, dependerá do número de inscrições realizadas. Os vencedores serão conhecidos em cerimônia que será realizada em dezembro, em local a ser definido.

A banca de premiação
Será dividida em três comissões – Inovação, Melhores Obras e Fornecedor de Destaque/Case da Indústria. Cada comissão terá 40 dias para realizar a avaliação dos produtos, obras e cases, a contar da data de encerramento das inscrições. As comissões utilizarão os memoriais descritivos, fotos e textos de defesa enviados para inscrição em formato PDF. Caso julgue necessário, a comissão poderá solicitar mais esclarecimentos às empresas.

AS CATEGORIAS DA PREMIAÇÃO

 INICIATIVA SETORIAL DE DESTAQUE
O prêmio será destinado à melhor ação em prol da melhoria setorial. Poderá ser capitaneado por entidade, núcleo de pesquisa, associação ou grupo de profissionais, visando ao aumento da produtividade, melhoria da qualidade, segurança, eficiência tecnológica, economia, sustentabilidade, difusão tecnológica ou de conhecimento. Esta categoria, assim como em anos anteriores, visa a prestigiar os esforços profissionais de um grupo organizado para atender a carências e problemas setoriais da construção.

 MELHORES OBRAS
A PINI premiará e destinará menções honrosas para obras em quatro categorias: infraestrutura, edificação corporativa/mista, edificação residencial, edificação institucional. Podem participar obras concluídas entre janeiro de 2016 e junho de 2017. A defesa em documento em formato PDF deverá incluir fotos, memoriais descritos, plantas e outras informações relevantes para a avaliação, bem como um argumento conciso sobre o diferencial dessa obra em relações a outras similares.

 CASE ESPECIAL – Soluções para projeto e execução
Nesta categoria, a PINI premiará empresas fornecedoras de materiais, equipamentos ou serviços que tenham atendido a uma demanda especial do cliente em razão de dificuldades logísticas, especificidades de engenharia e de uma necessidades específica. Poderão concorrer apenas produtos e serviços que até então não faziam parte do portfólio da empresa, destacando-se pelo ineditismo e pelo esforço para atender ao cliente.

 LANÇAMENTOS DE DESTAQUE
Nesta categoria, a banca de premiação pré-selecionará cinco produtos entre todos aqueles lançados nos últimos 12 meses, a contar da abertura das inscrições. Os produtos selecionados serão submetidos a votação aberta para toda a comunidade PINI – leitores, usuários de sistemas e cadastrados. Diferentemente da categoria Inovações Tecnológicas, os produtos inscritos nesta categoria não são inovadores, mas merecem destaque pela oferta diferenciada – range, cores, formatos, opções de entrega etc.


MAIS INFORMAÇÕES: ACESSE www.premio.pini.com.br

 Inscrições
As inscrições para todas as categorias deverão ser feitas até 15 de agosto de 2017.

 Cronograma
Análise da banca de premiação: entre 21 de agosto e 21 de novembro. Resultado do júri: 21 de novembro. Premiação: 5 de dezembro.

 Envio de arquivo
Memorial (PDF) com até 10 MB, com imagens, plantas e detalhes imprescindíveis para a defesa da obra.