Projeto modular 100% industrializado desenvolvido por Werner Sobek e Klaus Fischer torna possível produção sustentável de moradias para refugiados na Europa

“Dos 7,4 bilhões de pessoas que habitam nosso planeta hoje, 2 bilhões ainda são crianças com menos de 16 anos de idade. Nos próximos 16 anos, essas crianças de hoje vão requisitar casas, empregos e infraestrutura. Em 1930, a população mundial era de 2 bilhões de habitantes. Ou seja, em apenas 16 anos, teremos de construir o mundo de 1930.” Este é o resumo da ideia que norteou o arquiteto e engenheiro estrutural Werner Sobek na concepção da Aktivhaus, fruto de uma parceria profícua para o projeto de moradias na Alemanha entre o escritório do profissional e o Grupo Fischer, internacionalmente reconhecido pela excelência no desenvolvimento de componentes para a construção civil em todas as fases da obra, da fundação à decoração.

Considerando métodos tradicionais de construção, para suprir essa demanda de moradias seriam necessários 1 bilhão de toneladas de concreto e tijolos. Segundo Sobek, esse volume de material é impossível de ser produzido nesse espaço de tempo. Alinhados ao programa Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, lançado pela ONU em 2015, Sobek e o professor Klaus Fischer desenvolveram juntos o projeto de uma moradia sustentável erguida para refugiados na cidade alemã de Winnenden. Os conceitos de economia, ecologia e desenvolvimento sustentável nortearam o desenho do projeto. “Construir o futuro requer inteligência para novos conceitos. Isso inclui o uso de materiais sustentáveis, com sistemas construtivos e de fixação alinhados com princípios econômicos de produção”, explica Mario Jaksic, da área de gerenciamento de produtos do Grupo Fischer.

Sob a responsabilidade de Johannes Konrad, gerente-geral de marketing e vendas da companhia, a Aktivhaus, como foi batizada pelos criadores, nasceu do anseio comum da empresa e do Departamento de Estruturas Leves da Universidade de Stuttgart por inovação, a partir da premissa “desenvolvimento de métodos inovadores de fixação”. Sobek é um dos cabeças dessa divisão na universidade.

ACADEMIA E INDÚSTRIA JUNTAS
“Klaus Fischer e Werner Sobek se uniram num projeto de cooperação mútua para o desenvolvimento da Aktivhaus”, conta Jaksic. A iniciativa considera mudar o conceito da construção tradicional de moradias para enfrentar com responsabilidade os desafios impostos pelo futuro em todos os níveis sociais. “Com unidade construídas na Alemanha e na Eslovênia, a Aktivhaus modelo GmbH tem um custo que inclui planejamento, produção, transporte e instalação dos módulos de 1.380 euros o metro quadrado”, conta.

O PROJETO
A ideia de conceber um módulo pré-fabricado não é nova. No entanto, os parâmetros de desenvolvimento que envolvem preços competitivos, flexibilidade de adaptação dos módulos ao usuário, personalização e rapidez na instalação da Aktivhaus não têm precedentes. “Na série 700, existem dois módulos básicos que podem ser combinados horizontalmente e verticalmente com outros. Isso dá ao usuário uma infinidade de arranjos possíveis”, explica Sobek. “Há ainda uma ampla gama de materiais de revestimento e acabamento tanto para o interior quanto para o exterior”, completa. Um sistema de isolamento termoacústico e o aquecimento central – indispensável nessa região da Europa – garantem a eficiência no quesito conforto. O módulo completo é produzido na fábrica e transportado para o terreno da implantação. “In loco, são preparados apenas as fundações e os pontos de alimentação de água, energia elétrica, gás etc.”, afirma Sobek.

PROJETO PARA REFUGIADOS
“A Aktivhaus é a proposta ideal para suprir a demanda por moradias imposta pela questão iminente dos refugiados. Em Winnenden, comprovamos a eficiência do método e seu cunho socialmente responsável com a construção de moradia digna a partir de módulos simples”, conta Sobek. Os princípios da Aktivhaus, segundo Sobek, são universais, seja em termos de implantação, seja em termos de usuário. “Podemos adaptar o sistema construtivo para qualquer região do planeta”, completa.

TECNOLOGIA PARA A EFICIÊNCIA
A energia renovável é um dos focos do projeto. O teto dos módulos é dotado de sistema de captação de energia solar por meio de células fotovoltaicas. Com tecnologia digital, o sistema de captação de energia alimenta a central de aquecimento da casa com dispositivo self-learning, que se adapta automaticamente à demanda de cada ambiente. O controle assegura o aquecimento necessário de acordo com o perfil do usuário e evita desperdícios. O tripé zero energia, zero emissão e zero desperdício, desenvolvido por Werner Sobek, é a base do conceito da Aktivhaus. As paredes dos módulos são feitas de madeira reflorestada e o sistema de fundações foi concebido com materiais leves. Ventilação e iluminação naturais, resultado do estudo arquitetônico, garantem a redução de consumo de energia.

DADOS DA OBRA
LOCAL Winnenden, Alemanha
ÁREA CONSTRUÍDA 38 m², 48,8 m² e 64,6 m²
CONCLUSÃO Ainda em implementação (desde 2015)

FICHA TÉCNICA
ARQUITETURA E CONCEPÇÃO Werner Sobek Group e Fischer Group
EQUIPE RESPONSÁVEL Werner Sobek, Klaus Fischer, Johannes Konrad, Zooey Braun (Winnenden), Wolfgang Schster (Institute for Sustainable Urban Development in Stuttgart) e Michael Ganter (Ganter Group)

POR GUSTAVO CURCIO | FOTOS DIVULGAÇÃO