Notícias do mundo da arquitetura

Equipamento móvel socorre inundações e alagamentos

O projeto oferece banhos quentes, lavatório, vasos sanitários e vestiários, mesmo em lugares sem fontes de água limpa e que passaram por inundações e alagamentos. Este é o Apis, do grupo Núcleo Habitat Sem Fronteiras, coordenado pela professora Lara Leite Barbosa de Senne, da FAU-USP. Visando melhorar a situação de pessoas que são atingidas por inundações com frequência, o projeto é um protótipo de banheiro modular que pode ser replicado de acordo com a necessidade. Autônomo, prevê soluções para captação, tratamento e aquecimento da água com coleta dos resíduos mesmo sem infraestrutura preexistente. A estrutura móvel é transportada em um contêiner por caminhão até o local da inundação.

Protótipo APIS

Composto de duas áreas de banheiro com chuveiro, vaso sanitário e dois lavatórios para cada vestiário – feminino e masculino – e outra área separada para pessoas com necessidades especiais, o protótipo do Apis está na agência de inovação da Universidade de São Paulo. O equipamento foi construído com recursos do programa Pillars of Sustainable Education, criado Architecture for Humanity e financiado pela Alcoa Foundation.

Com quase 90% do projeto concluído, o grupo pede ajuda, por meio de uma campanha do Catarse, para comprar o painel de automação do sistema hidráulico que vai controlar os mecanismos de bombeamento da água para a ultrafiltração e distribuição ao banheiro. Após a finalização, a unidade será encaminhada para testes em locais afetados por desastres no Brasil.

Dávila Arquitetura recebe prêmio por projeto em Brasília

Lobby com sistema de recepção centralizado

Localizado no coração de Brasília, o complexo de escritórios comerciais ION – que ganhou recentemente o Prêmio Master Imobiliário 2017 por causa de sua qualidade arquitetônica – chama a atenção pelo o formato em “H”. O projeto tem a assinatura do escritório Dávila Arquitetura e teve o paisagismo realizado por Benedito Abbud.

Situado a 1,5 km do Congresso Nacional e bem próximo dos anexos dos ministérios, o empreendimento possui uma área de construção total de cerca de 60 mil m². O complexo conta com quatro subsolos, um pavimento semienterrado, térreo, 1º e 2º pavimentos e cobertura. O lobby central tem iluminação natural, elevadores panorâmicos e espaços de convivência servidos com mesas e sofás, áreas verdes, lojas e um auditório para até 120 pessoas.

O complexo ION está localizado em ponto estratégico em Brasília

Obra assinada por Isay Weinfeld em São Paulo ficará pronta no fim do ano

Fachada

Quem passa pela esquina da Alameda Santos com a Rua Augusta, em São Paulo, não fica indiferente diante da construção que está prestes a ser finalizada no local. Trata-se do empreendimento Santos Augusta, assinado pelo arquiteto Isay Weinfeld. Com quatro volumes superpostos – de tamanhos, texturas e alinhamentos diferentes –, o prédio será de uso misto, com escritórios, teatro com capacidade para 260 pessoas, restaurante, bar e café. Entre um e outro volume estão os andares intermediários (4º, 10º e 18º pavimentos), em que o perímetro da área fechada é recuado das bordas e inteiramente circundado por terraços com jardins.

Vista do terraço

Passarela feita por Vilanova Artigas está sendo reestruturada

A passarela do aeroporto de Congonhas, na capital paulista, projetada pelo arquiteto João Vilanova Artigas nos anos 70, está sendo restaurada e seu projeto, modernizado. Os grandes responsáveis pela atualização são Marco Artigas Forti, neto de Artigas, e a arquiteta Helena Dias de Oliveira Camargo.

Equipe realiza a recuperação e o restauro das estruturas de concreto armado

Com previsão de entrega para o fim deste ano, o trabalho da equipe pretende conservar o projeto original, porém, com algumas modificações: a garantia da acessibilidade universal, cobertura do percurso, restauro da estrutura de concreto armado existente (de desenho de Vilanova Artigas) e o aumento da altura do fundo da passarela em relação à Avenida Washington Luís. Também fazem parte do novo projeto a criação de uma praça com piso de ladrilho hidráulico, paisagismo, mobiliário – incluindo bicicletário – e de uma pequena estrutura de comércio e banheiro público.

Corredor na década de 1970, logo após a inauguração
Estrutura metálica sendo produzida no interior de São Paulo

City Walk em Dubai prioriza a relação entre os pedestres e o entorno

Projetada para que se tornasse uma cidade completa, a City Walk em Dubai mescla lifestyle e residencial de alto padrão. Com a assinatura do escritório internacional LW Design, o empreendimento consiste em blocos de uso misto que formam um boulevard de lojas e restaurantes. O primeiro conecta áreas residenciais a um núcleo de entretenimento no sentido norte-sul e conta com parques lineares no sentido leste-oeste. Ao todo, são 740 metros de avenida, mais ruas paralelas e perpendiculares, com conectividade para veículos e pedestres.

 

Arquiteto está desenvolvendo um carro sustentável

O arquiteto e urbanista Jaime Lerner disse recentemente na II Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo, no Rio de Janeiro, que está desenvolvendo um carro feito de material de reciclagem. A concepção do veículo será feita juntamente com uma equipe de jovens arquitetos, segundo ele. Em sua fala durante o evento, Lerner ressaltou suas ideias sobre a solução para as cidades baseada em apenas três medidas: usar menos carro, morar perto do trabalho e separar e reciclar o lixo.

O ex-prefeito de Curitiba também criticou a insistência em soluções rodoviaristas, dando ainda mais espaços para carros, e programas habitacionais superados, como o “Minha Casa Minha Vida, meu fim de mundo”, trocadilho que inventou. “O problema está na concepção da
cidade. Quanto mais tivermos nas cidades moradia, trabalho e mobilidade juntos, mais perto estaremos da solução”, disse.

Jaime Lerner aproveitou a ocasião para aconselhar os jovens profissionais a olhar com maior atenção para as questões urbanas. “Temos que ter a coragem de fazer coisas simples e imperfeitas. A arquitetura às vezes é um compromisso com a simplicidade e a imperfeição. Temos que ter orgulho da nossa constelação de arquitetos estrelas, mas precisamos mais de uma constelação de arquitetos preocupados com as cidades. Menos ego-arquitetos, mais eco-arquitetos”, afirmou.