Brasileiro Roberto Simon é eleito vice-presidente da União Internacional dos Arquitetos

A União Internacional dos Arquitetos (UIA) elegeu no último sábado (09), durante o 26º Congresso Mundial de Arquitetos UIA 2017 SEOUL, em Seul, na Coréia do Sul, o arquiteto brasileiro Roberto Simon como o novo vice-presidente da UIA nas Américas (Região 3).

O carioca, com 61 anos é o terceiro brasileiro a ocupar um cargo de alta direção na instituição que representa 138 países nos cinco continentes. Simon assume o lugar do costa-riquenho Carlos Alvarez, ao lado do presidente eleito norte-americano, Thomas Vonier que substitui o malasiano Esa Mohamed.

Roberto Simon é formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) com mestrado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em 1982, o arquiteto abriu seu escritório no estado catarinense, além de uma empresa incorporadora fundada em 2012. Simon é ex-presidente do Departamento Santa Catarina do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/SC), conselheiro federal do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) na gestão fundadora e atual Ouvidor-Geral da autarquia, além de ter participado diversas vezes do Conselho da UIA e de comissões da entidade.

“A união é o paradigma dos novos tempos. Esse tem sido meu lema durante os quase 20 anos que venho trabalhando pela organização da profissão dentro e fora do país. Nessa tarefa, sempre fui bem ladeado pelos companheiros dessa já longa jornada. Um aprendizado que veio de muitos, como Miguel Pereira, Carlos Fayet, Fabio Penteado (falecidos), assim como Haroldo Pinheiro, Gilson Paranhos, Jaime Lerner, Gilberto Belleza, Antônio Carlos Campelo Costa, Anderson Fioreti, Silvia Lenzi, João Edmundo Bohn, e mais recentemente Sérgio Magalhães. Dentre outros amigos e conselheiros durante todos esses anos”, disse Simon em entrevista ao CAU/BR.

Durante o congresso foram eleitos também o romeno Serban Tiganas como Secretário Geral e o espanhol Fabian LListerri como Tesoureiro. Na vice-presidência das demais regiões da UIA ficaram o suíço Lorenz Braker (Região 1), o grego Nikos Fintikakis (Região 2), o sul-coreano Jong Rhul Hahn (Região 4) e o queniano Mohamed Munyanya.

“Agora estamos no alcance de uma “Nova Era” – o mundo das cidades conectadas, ao mesmo tempo em que nos desafia a habitação da humanidade, a necessidade de criarmos novos empregos e melhorar a qualidade do ambiente urbano. Resiliência, e sustentabilidade estão se tornando mais e mais os principais critérios para a profissão do arquiteto”, comentou o arquiteto brasileiro.

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb